skip to Main Content
focus_logo_azul

Desenvolvido por

PRODAH - Programa de Transtornos de Déficit de Atenção/Hiperatividade - UFRGS

COMO TRABALHAR DE CASA COM TDAH

COMO TRABALHAR DE CASA COM TDAH

Com a transição para o trabalho remoto, muitos adultos com TDAH tem dificuldade para manter a produtividade tão bem quanto quando estavam no escritório.

Há um desbalanço de neurotransmissores, sobretudo dopamina, no córtex pré-frontal em pacientes com TDAH. Essa área do cérebro é responsável pelas funções executivas, o que faz com que as pessoas com TDAH tenham dificuldade nessas funções e na capacidade de se autorregularem.

Isso tudo resulta em dificuldades na concentração, organização, em saber priorizar e manejar o tempo; pode levar a inquietude ou hiperfoco e ao mau controle de impulsos.

Por conta dessas dificuldades- que tendem a afetar diversas áreas da vida dos indivíduos-, pessoas com TDAH podem necessitar de um ambiente de trabalho que as ajude a manter a rotina e a estrutura, além de colegas compreensivos. A mudança para o trabalho remoto tem sido um desafio para a maioria das pessoas, podendo ser ainda mais desafiadora para aqueles que sofrem com TDAH.

A mudança de ambiente pode ter mudado também a forma como o trabalho é feito e as tarefas também se alteraram para suprir a nova realidade que estamos vivendo. A falta de estrutura fornecida pelo ambiente de trabalho aliada a cronogramas incertos que foram sendo adaptados paulatinamente pode tornar difícil manter o foco, estabelecer uma rotina e conseguir priorizar compromissos para pessoas com TDAH.

Para alguns, a motivação externa é um fator importante para fazer com que as tarefas sejam completadas, e essa motivação fica prejudicada em um ambiente incerto, com expectativas vagas.

“O ambiente de trabalho pode ser estressante, porém ele fornece comunidade. Ter colegas e precisar estar presente e ter performance pode dar as pessoas com TDAH a estrutura que elas precisam para ser produtivas quando elas ficam estagnadas ou precisam de suporte”, disse Robin Nordmeyer, co-fundadora e diretora geral do Center for Living Well with ADHD em Minnesota.

“Há um lugar específico para sentar quando você tem que completar tarefas mundanas”, disse Maggie Sibley, professora de psiquiatria e ciências do comportamento na University of Washington School of Medicine. “E provavelmente também há um supervisor que te responsabiliza e garante que você esteja trabalhando em um ritmo bom. Quando você se muda para casa, de repente você tem que fazer muito dessa auto regulação por conta própria e isso pode ser bastante desafiador para pessoas com TDAH”.

“Então esse é o momento de ficar criativo e criar esse cenário”, disse Nordmeyer.

Replique seu ambiente de trabalho

Considere o que você precisava no trabalho para ser produtivo e funcional e como você pode simular esse ambiente em casa, disse Nordmeyer.

Evite trabalhar em espaços de relaxamento como seu quarto ou em frente à televisão, disse Sibley. Experimente o que é melhor para você: talvez seja trabalhar em um quarto silencioso ou em um em que as cortinas estejam fechadas e assim você não se distrai com o que está do lado de fora.

Converse com sua família sobre dividir as tarefas de casa para manter a casa limpa e organizada de maneira produtiva, como o escritório deve ser. Bagunça pode drenar sua energia e tirar sua atenção daquilo que você precisa focar.

Planeje seu dia na noite anterior

Planeje seu dia na noite anterior para ter sucesso em manejar performance e comportamento no trabalho, sugere Nordmeyer

Quando planejar, note quais são suas prioridades (selecione poucas – as mais importantes). O que você precisa focar e quando? Como essas prioridades mapeiam o fluxo do seu dia?

Como a dopamina decai da manhã para a tarde, divida o seu dia para focar em tarefas menos desejáveis e complexas mais cedo durante o dia e coloque tarefas mais fáceis e divertidas para o final do dia.

Tenha uma rotina da manhã

Assim como você tem que aparecer cedo no trabalho para começar o dia as 9h, mantenha a mesma rotina da manhã em casa.

Acorde no mesmo horário que você normalmente acordaria e se vista antes de iniciar o dia. “Assim você está assumindo a persona de um trabalhador profissional”.

Trabalhe junto com um colega

Manter-se focado nas tarefas e completar compromissos pode ser desafiador. Convide algum colega que você seja próximo para trabalhar junto com você virtualmente, para ajudar com a prestação de contas e o foco. Ou procure online por um laboratório de coworking para TDAH.

Faça uma conferência por vídeo ou check-ups matinais para discutir a carga de trabalho e então crie um grupo onde você possa intermitentemente relatar como o trabalho está fluindo.

Outras estratégias

Peça para seu supervisor orientação na hora de priorizar tarefas de uma forma que não te estigmatize como incapaz por conta do TDAH, disse Nordmeyer. Assim, peça para marcar um checkup no início da semana para que você possa revisar o que é mais importante para os próximos dias, o que ajuda no seu planejamento.

Peça para o seu supervisor estabelecer prazos para reforçar o senso de responsabilidade e te colocar em “modo de urgência” e assim complete os trabalhos conforme a sua importância.

Use o modo de motivação baseado na tentativa de agradar as pessoas para se motivar, ou seja, faça o trabalho com o intuito de não desapontar alguém.

Por fim, tire vantagem do seu amor por desafios para ter hiperfoco e ficar na zona de trabalho, completa Nordmeyer

Artigo adaptado e traduzido de https://edition.cnn.com/2020/05/29/health/working-from-home-coronavirus-adhd-wellness/index.html

Compartilhe com seus amigos!
CHEGARAM AS PROVAS FINAIS: COMO AJUDAR SEU FILHO A SE PREPARAR?

CHEGARAM AS PROVAS FINAIS: COMO AJUDAR SEU FILHO A SE PREPARAR?

 

Os mais de 20 anos trabalhando com crianças e adolescentes com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) nos ensinaram que essa é uma hora crucial para as famílias. Chegou dezembro, e com ele, as provas finais. Os alunos com TDAH procrastinam, empurram com a barriga, esperando, mesmo sem saber, que o estresse desencadeie a liberação de um neurotransmissor excitatório – a noradrenalina – numa área específica do cérebro, o córtex pré-frontal.  Esse neurotransmissor é um dos responsáveis por estimular as funções executivas.

Essa descarga coloca os portadores de TDAH em ação! Algo que para acontecer depende, em muitos casos, dessa descarga, ou de muita motivação. Nessa última situação, pela liberação no córtex pré-frontal de um outro neurotransmissor, a dopamina. O TDAH, assim como a maioria dos transtornos mentais, é uma condição dimensional na população. Ou seja, mesmo sem o diagnóstico pleno, muitas pessoas têm algumas características do transtorno. Logo, o planejamento de como estudar e como enfrentar os testes finais é algo relevante também para crianças e adolescente sem qualquer diagnóstico psiquiátrico!

Uma palavra de cautela para quem nos acompanha nessa coluna. Buscamos sempre discutir e informar com base em evidência científica. Infelizmente, essa é uma área, onde existem muito poucos estudos comparativos entre estratégias para enfrentar a situação. Frente a urgência, vamos ao que a experiência clínica e o bom senso sugerem.

 

Passo 1:  estudando para os testes finais

A máxima inicial não vale aqui! “Estude com antecedência e regularmente” fica para uma próxima vez. Mas não adianta fugir, como o “diabo da cruz”. Estudo continuado e sequencial, ao invés do massivo de última hora, ainda é a estratégia que parece dar o melhor!

– Selecione o material necessário para o estudo. Isso muitas vezes pode significar ter que entrar em contato com aquele (a) colega que tem tudo organizado, ou com a mãe dele (a), para solicitar esse material. Muitas vezes, o bom é inimigo do ótimo! Procure selecionar o essencial para a preparação da prova, e não todos os livros, temas e cadernos da matéria;

– Organize o espaço de estudo mantendo-o livre de distratores. Não tem jeito: você terá que convencer o seu filho(a) que ele terá que ficar sem o celular nesse momento e o computador só poderá ser usado para a procura de conteúdo relacionado ao estudo. Escolha um ambiente calmo, longe de janelas e outros distratores;

– Programe a matéria a estudar. Definido qual o conteúdo da prova, faça um roteiro dos tópicos a estudar. Determine e registre com seu filho o tempo para cada tópico;

– Faça intervalos. Embora não pareça existir evidência clara para a alegação popular de que os jovens não conseguem manter mais do que 10-15 minutos de atenção continuada, dividir o tempo de estudo em unidades de cerca de 30 minutos pode ser uma estratégia interessante, ainda mais se seu filho (a) já tiver alguma dificuldade atencional;

– Determine um tempo de estudo razoável. Mesmo que ele (a) tenha pego inúmeras recuperações, maratonas de estudo tendem a ser pouco eficazes. Turnos de não mais do que 2-3 horas, em casos de máxima necessidade, sempre com intervalos regulares tendem a ser o máximo tolerável;

– Pratique com provas anteriores. A pouca evidência existente na área indica que fazer provas de anos anteriores ou qualquer teste sobre o conteúdo da prova é disparado a melhor estratégia para estudar. Aqui há uma vantagem adicional. Permite ajudar o (a) seu/sua filho (a) a reconhecer quais os tópicos que ele (a) já sabe e quais ele (a) precisa estudar mais, ajudando-o (a) a se concentrar nesses últimos;

– Peça para ele (a) lhe explicar o que entendeu da matéria estudada. Esse exercício de resumir e recontar o conteúdo verbalmente ajuda alguns jovens a memorizar melhor os conteúdos estudados.

 

Passo 2:  antes dos testes

– O sono na noite anterior à prova é fundamental. Vários estudos mostram que o sono adequado é essencial para a consolidação de dados armazenados na memória de trabalho. Essa é a memória similar a memória RAM do computador, ou seja, aquela que vai manter todas as informações online que seu/sua filho (a) vai precisar para responder às questões das provas.

Se ele (a) tem dificuldade de dormir quando tem um evento importante no dia seguinte, prepare-o (a) para situação. Isso pode envolver medidas de higiene do sono, ou até mesmo uso de um indutor do sono. Mas nunca use qualquer substância com a qual ele (a) não tenha tido experiência prévia!

– Uma alimentação saudável antes dos testes é fundamental. As crianças não devem ir para provas sem ter comido nada, para evitar episódios de hipoglicemia, mas deve-se evitar refeições muito pesadas para que não fiquem sonolentos.

 

Passo 3:   fazendo os testes finais

– Evite distrações. Se o espelho de classe não estiver rigidamente definido, converse com seu filho (a), estimulando-o (a) a escolher um lugar calmo, longe de distrações, como janelas, e longe de colegas barulhentos ou que o (a) atrapalhem;

– Uma perspectiva positiva sempre ajuda! Nos momentos antes das provas, ensine ele (a) a respirar fundo algumas vezes e a visualizar-se fazendo as provas, respondendo às questões e recebendo um resultado positivo da prova. Parece bobo, não? A experiência clínica sugere, entretanto, que, muitas vezes, somos tomados antes das provas por ansiedade de desempenho e inúmeros pensamentos disfuncionais negativos, do tipo: “não sei nada, não estudei o suficiente, vou me ralar”. Esse “estado de espírito” afeta claramente a nossas funções executivas;

– Ajude-o (a) a avaliar o teste de uma forma global. São quantas questões? Qual o tempo total que ele (a) tem? Ele (a) deve determinar o tempo médio por questão. É útil ter um cronometro durante os testes, mas ele deve ser usado de forma racional, ou seja, cuidado para ele trabalhar a favor do seu/sua filho (a). Ajuda-lo (a) a organizar o tempo sem aumentar a sua ansiedade. Ao ler cada questão, ele (a) deve avaliar se essa é uma questão que para ele (a) é difícil ou fácil. Para as fáceis, deve determinar um tempo menor que o médio para resolvê-las e para as difíceis um tempo maior do que o médio. O tempo exato vai depender do tempo total e do número de questões;

– Lembre ele (a) de ler cada questão duas vezes e, acima de tudo, sublinhar a solicitação central de cada questão;

– Estimule-o (a) a não seguir a ordem do teste. Ele (a) deve resolver todas as questões que têm certeza antes. Marcar com um ”D” as que considera difíceis e com “SD” de superdifíceis, as que não tem a menor ideia da resposta. Deve resolver as difíceis antes das superdifíceis, usando as estratégias acima. Para todas as superdifíceis, marcar a mesma letra, em caso de provas objetiva. Preferencialmente, a letra menos frequente nas respostas para as perguntas que ele (a) tem certeza. Se a prova penaliza resposta erradas, deixar essas sem resposta;

– Insista que ele (a) seja o (a) último (a) a entregar a prova. Não há qualquer prêmio para quem entrega a prova antes! Revisar com cuidado as respostas. Mas, após uma análise cuidadosa, ficar com a resposta que ele (a) considera certa. Ou seja, retirada a possibilidade de erro de atenção por não ter lido com cuidado a questão, acreditar nele (a) próprio (a)! Alguns estudos sugerem que a troca de resposta nessas condições leva a maior chance de erro do que de acerto, ou seja, a primeira impressão é a que vale!

O mais importante é customizar as dicas acima ao estilo do (a) seu/sua filho (a) ou as características dele (a). Pode ter certeza de que nem todas funcionam para todo mundo, mas muitas delas vão ajudá-lo (a) nesse fim de ano.

Fonte:
Luis Augusto Rohde
Professor titular de psiquiatria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professor da pós-graduação em psiquiatria na universidade de São Paulo

Matéria publicada na revista Veja em 5 de dezembro de 2019.
https://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/chegaram-as-provas-finais-como-ajudar-seu-filho-a-se-preparar/

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top