skip to Main Content
focus_logo_azul

Desenvolvido por

PRODAH - Programa de Transtornos de Déficit de Atenção/Hiperatividade - UFRGS

TDAH E FOCO

TDAH E FOCO

Muitos de nós – pessoas com TDAH ou pessoas que convivem com indivíduos com TDAH – conhecemos bem essa ideia da dificuldade no TDAH de se “manter o foco”. Mas afinal, o que exatamente é o “foco”?

O foco é o processo de centralizar a atenção em algo ou, em outras palavras, é o direcionamento da atenção e como esse direcionamento é feito. Esse processo compreende vários aspectos, como:

  • Seleção: capacidade de escolher onde a sua atenção será direcionada
  • Monitorização: a percepção de onde a sua atenção está direcionada ou não
  • Alternância: a capacidade de redirecionar a sua atenção para uma atividade em curso ou direcionar sua atenção para outra atividade
  • Atenção sustentada: capacidade de se manter focado em uma atividade específica
  • Hiper-foco: capacidade de desenvolver um período de intensa concentração em que você perde a noção do tempo e o espaço.

Várias coisas podem afetar o desempenho do foco, como: falta de sono, estresse, emoções ou disrupções na rotina. A previsibilidade da rotina melhora a capacidade de manter a atenção nas atividades porque ela fornece pistas de como, quando e por que algo deve ser feito, preenchendo as lacunas da falha na memória de trabalho (uma das funções executivas afetadas pelo TDAH).

Para melhorar o desempenho da sua atenção é preciso entender como o seu foco funciona e quais as peculiaridades que afetam positivamente ou negativamente ele.

Aqui vão algumas dicas:

1) Seja paciente com você mesmo.

Esse é o primeiro passo. É preciso que você não se sinta frustrado ou envergonhado quando percebe que perdeu o foco ou não está conseguindo dar conta das atividades como gostaria. A dificuldade de manter o foco é uma característica inerente do TDAH. A autocompaixão ajuda você a observar com clareza os seus padrões e a desenvolver habilidades para lidar melhor com eles.

2) Observe os períodos de sucesso e de desafios.

Para entender como você perde o foco, você primeiro tem que observar quando você consegue mantê-lo com facilidade. Pergunte-se: o que você realmente gosta de fazer que torna fácil prestar atenção? Como você se sente nesses momentos? Em seguida pergunte-se: quais são os momentos em que você tende a perder o foco? Como você se sente quando isso acontece? Existe algum padrão? Após pergunte-se como você lida com os momentos em que se distrai e retorna o foco para a atividade. Nessas horas, como você gostaria de responder?

3) Faça conexões.

Escolha algo desafiador para seu foco e desenvolva uma resposta ideal. Quando você retorna de uma distração, estabeleça um comportamento alternativo ou uma ou duas frases que lhe deem tempo para organizar os pensamentos. Por exemplo, em uma conversa, diga “essa é uma boa pergunta, hmm” ou “Posso ter um minuto para pensar sobre isso e lhe dar uma resposta? ”. Então, organize seus pensamentos e diga o que está na sua mente.

4) Controle o hiper-foco.

Apesar do hiper-foco resultar em alta produtividade, ele aumenta o nível de estresse do seu cérebro e consome muita energia crucial para o pensamento. Coloque um timer e faça pequenas pausas para fazer um lanche, beber uma agua ou ir ao banheiro. Faça uma nota do que estava acontecendo quando você parou para saber o que fazer quando voltar.

5) Limite o uso de telas.

Quando você está tentando concluir uma atividade, bloqueie acesso a certos sites e remova as notificações do celular. Estabeleça um timer para uso dessas aplicações ou acesse as telas apenas no período do intervalo ou quando você completar algum objetivo pré- estabelecido.

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.psychologytoday.com/us/blog/your-way-adhd/202101/adhd-and-focus

Compartilhe com seus amigos!
UMA PEQUENA DOSE DE EXERCÍCIO É CAPAZ DE MELHORAR A PERFORMANCE ACADÊMICA DE CRIANÇAS COM TDAH

UMA PEQUENA DOSE DE EXERCÍCIO É CAPAZ DE MELHORAR A PERFORMANCE ACADÊMICA DE CRIANÇAS COM TDAH

Com a pandemia, todos os pais conhecem o eterno desafio de fazer as crianças se concentrarem nos estudos, principalmente aquelas com TDAH.  No texto de hoje vamos falar de uma estratégia promissora e que a princípio não é muito difícil de ser empregada.

Em 2009, pesquisadores descobriram que apenas 20 minutos de exercício aeróbico moderado com elevação da frequência cardíaca para 60% da frequência máxima do individuo podia melhorar a performance acadêmica de crianças imediatamente.

“Pense nisso como aproximadamente o ritmo da caminhada para a escola pela manhã” disse Charles Hillman, autor do estudo e Diretor Associado do Center for Cognitive and Brain Health da Northeastern University. Crianças pré-adolescentes caminharam em uma esteira por 20 minutos e após foram administrados testes cognitivos (a velocidade era fácil o suficiente para que nenhuma criança não fosse capaz de acompanhar). A conclusão foi que “Doses agudas e únicas de exercício aeróbico moderadamente intenso podem melhorar o controle cognitivo da atenção” por pelo menos 60 minutos após.

O exercício aeróbico, como diz Hillman, ajuda crianças a focarem a sua atenção durante as tarefas demandantes- como as aulas online- e as ajuda a afastar distrações. Esse foco permite que elas processem informação mais rapidamente, diz ele, o que se traduziu no estudo  numa melhor acurácia nas medidas cognitivas e maiores notas alcançadas em leitura e matemática.

E quanto a crianças com TDAH, que já sofrem com dificuldade na concentração, poderia o exercício físico ser útil?

Um estudo de 2012 descobriu que imediatamente após o exercício, crianças com TDAH tinham uma performance melhor em testes de leitura e matemática e tinham níveis melhores de atenção e auto-regulação. Ainda, num estudo de 2020, crianças com idades entre 11 e 16 anos com TDAH que faziam exercício com bicicleta por 20 minutos em intensidade moderada tiveram melhoras similares na capacidade de focar em tarefas por pelo menos 60 minutos após o exercício.

Segundo Matthew Pntifex, professor associado do Departamento de Cinesiologia da Michigan State University e autor do estudo de 2012, “elas foram mais capazes de regular seu comportamento e tiveram mais capacidade de estabelecer ações corretivas”

Isso acontece porque o exercício parece ajudar na habilidade da criança de inibir impulsos inapropriados e de selecionar uma resposta mais apropriada para esses impulsos.

O exercício também pode ajudar a suprimir respostas motoras para comportamentos aprendidos, como falar alto durante a aula. Na sala de aula, esse controle ajuda as crianças a focarem nas instruções. Em casa, isso pode ajudar elas a focarem na aula online e resistirem à tentação de jogar videogame.

A boa notícia é que 20 minutos podem não ser necessários. Até mesmo pequenas doses de exercício durante as pausas podem ser efetivas, o que pode ser mais prático para os pais. Qualquer atividade física serve.

Em 2004, Matt Mahar, diretor da School of Exercise and Nutritional Sciences da San Diego State University, desenvolveu o programa “Energizers”, uma série de exercícios físicos de pequena duração que crianças podem praticar. Mahar recomenda 2 ou 3 pausas por dia para ajudar as crianças a focarem na tarefa, onde quer que estejam. Exercício no meio do período de estudo, como escreve Mahar, é parte de um achado consistente das pesquisas de que “ atividade física baseada na sala de aula resulta em melhores comportamentos durante a tarefa do que aulas sedentárias com os alunos sentados” para todas as crianças, não apenas aquelas com TDAH.

As crianças são mais propensas a aderir a atividade se seus pais não dizem simplesmente a elas para “fazerem exercício físico”. Pais e crianças podem usar a criatividade, mas preferencialmente deve-se focar em atividades que a criança já gosta. Experts concordam que agregar atividade ao ar livre é uma combinação ideal, e pode-se optar por soluções simples. Apenas uma caminhada serve. Por exemplo, Hillmann recomenda começar o dia com uma caminhada de 20 minutos e adicionar pequenas pausas de mobilidade durante o dia.

Que tal dar uma volta?

Artigo adaptado e traduzido de:

https://www.washingtonpost.com/health/exercise-breaks-help-kids-with-adhd-learn/2020/08/14/57f41e94-cc2f-11ea-bc6a-6841b28d9093_story.html#comments-wrapper

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top