skip to Main Content
focus_logo_azul

Desenvolvido por

PRODAH - Programa de Transtornos de Déficit de Atenção/Hiperatividade - UFRGS

TDAH E TRANSTORNO DE HUMOR BIPOLAR

TDAH E TRANSTORNO DE HUMOR BIPOLAR

O diagnóstico diferencial de TDAH com o Transtorno de Humor Bipolar (THB) se apresenta como um desafio em algumas situações. Ambos os transtornos apresentam algumas características em comum, como a impulsividade, e a hipomania do THB pode ser confundida com a hiperatividade do TDAH. Além disso, os dois transtornos podem estar presentes em um mesmo paciente e o TDAH poderia, inclusive, ser fator de risco para o desenvolvimento da bipolaridade.

Um estudo recente demonstrou que crianças com diagnostico de TDAH tinham um risco 10 vezes maior de serem diagnosticadas com THB no futuro comparado com crianças sem diagnóstico de TDAH. Ainda, a comorbidade dos dois transtornos pode envolver uma via genética comum. Um outro estudo sueco que avaliou 13532 pares de gêmeos aos 9 e 12 anos e, após, aos 15 e 18 anos encontrou que fatores genéticos associados a hipomania explicavam 25% a 42% da chance da presença de sintomas de hiperatividade e impulsividade no TDAH.

Uma outra pesquisa demonstrou também que a apresentação comorbida do THB e do TDAH estava associada a um curso mais grave e a um maior risco de tentativas de suicídio do que qualquer apresentação dos transtornos isolada.

Existe controvérsia quanto ao uso de estimulantes para o tratamento do TDAH em pacientes com THB. Um estudo de 2016 demonstrou que o uso de metilfenidato para tratamento do TDAH em pacientes com THB que não estavam fazendo uso de estabilizadores do humor aumentou em 7 vezes o risco de virada maníaca dentro de 3 a 6 meses. Entretanto, o uso de metilfenidato em pacientes em uso de estabilizadores de humor foi associado a diminuição de episódios maníacos. Ou seja, o uso de estimulantes parece ser seguro em pacientes com THB que estejam devidamente medicados para o tratamento do THB.

Sendo assim, é importante avaliar a presença de THB em pacientes com diagnóstico de TDAH, uma vez que pode ser um diagnóstico diferencial e o tratamento do TDAH pode afetar o curso do THB. Apesar das semelhanças, a hiperatividade no TDAH tende a ser uma caraterística mais constante do funcionamento do indivíduo, ao passo que, no THB, a hiperatividade tende a se apresentar apenas nos episódios de mania.

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.psychiatrictimes.com/view/adhd-bipolar-genetics-diagnosis-treatment

Compartilhe com seus amigos!
QUAL O EFEITO NA FUNCIONALIDADE DO USO DE MEDICAMENTOS PARA O TDAH?

QUAL O EFEITO NA FUNCIONALIDADE DO USO DE MEDICAMENTOS PARA O TDAH?

O Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade é um transtorno altamente prevalente afetando até cerca de 11% das crianças e 5% dos adultos. Ele está associado a altos níveis de prejuízo na capacidade funcional, incluindo a associação com outros transtornos psiquiátricos, dificuldades acadêmicas, acidentes domésticos e automobilísticos e ferimentos.

Evidências científicas têm demonstrado melhora significativa nos sintomas do TDAH com o uso de medicamentos estimulantes. Uma revisão sistemática e meta-análise com 40 estudos, publicada em 2020 no Journal of Psychiatric Research, buscou averiguar os efeitos do tratamento medicamentoso nos desfechos funcionais.

Essa revisão da literatura encontrou altos benefícios do uso de medicação, especialmente estimulantes, na diminuição do risco de comorbidade com transtornos de humor (depressão e bipolaridade), suicídio, criminalidade, acidentes e ferimentos, prejuízo na performance acadêmica, uso de substâncias e acidentes automobilísticos.

Ainda que alguns dos estudos tenham avaliado o uso de medicamentos não-estimulantes, a vasta maioria consistia de tratamento com estimulantes e nenhum estudo encontrou resultados para o uso isolado de não-estimulantes.

Estudos anteriores já haviam demonstrado que o tratamento na infância com estimulantes poderia diminuir o risco de desenvolvimento de transtornos de humor na vida adulta bem como o desenvolvimento de transtornos de conduta em ambos os sexos.

Como os pesquisadores descrevem, os efeitos benéficos do uso de medicamentos eram mais proeminentes quando os pacientes eram aderentes  ao uso da medicação, ressaltando a importância de se trabalhar a adesão com os pacientes e a necessidade de se investigar ferramentas que melhorem a adesão ao tratamento.

Por fim, como os pesquisadores ressaltam, apesar dos efeitos protetivos observados com o uso de medicação, não é possível afirmar que o tratamento farmacológico seja o único fator influenciando nos desfechos funcionais. Além disso, foram encontrados resultados mistos na performance acadêmica, sugerindo que outros fatores além do TDAH (como habilidades cognitivas, transtornos de aprendizado, classe social e déficits nas funções executivas) possam exercer influência nesse desfecho.

Referência:
Boland H, DiSalvo M, Fried R, Woodworth KY, Wilens T, Faraone SV, Biederman J. A literature review and meta-analysis on the effects of ADHD medications on functional outcomes. J Psychiatr Res. 2020 Apr;123:21-30. doi: 10.1016/j.jpsychires.2020.01.006. Epub 2020 Jan 27. PMID: 32014701.

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top