skip to Main Content
focus_logo_azul

Desenvolvido por

PRODAH - Programa de Transtornos de Déficit de Atenção/Hiperatividade - UFRGS

COMO SE COMUNICAR COM SEU FILHO COM TDAH

COMO SE COMUNICAR COM SEU FILHO COM TDAH

Pais de crianças com TDAH já devem ter notado que as vezes os pequenos parecem ter dificuldade de ouvir ou de fazer o que foi pedido. Eles se atrapalham na hora de seguir as instruções, se distraem no meio do caminho ou simplesmente esquecem o que tem que ser feito. Nessas horas, fazer com que as regras da casa sejam cumpridas parece quase impossível e manter a paciência pode ser um desafio. Então, como você pode melhorar a comunicação com o seu filho?

Aprender a conversar com o seu filho pode ser um processo longo e difícil. Além disso, apesar de haver alguns pontos chave, não existe receita de bolo e é preciso se adaptar e observar os resultados. Reunimos algumas dicas:

  • Olhar nos olhos

Isso ajuda você a ter certeza de que seu filho está prestando atenção em você, o que aumenta a chances de que ele esteja ao menos ouvindo o que você está dizendo. Peça para ele olhar nos seus olhos enquanto você fala.

  • Use uma linguagem apropriada para a idade dele

Seja claro e evite rodeios. Tente usar uma linguagem simples que ele possa entender. Responda as perguntas que ele eventualmente tenha e evite longos discursos que podem fazer com que ele perca a concentração.

  • Simplifique as tarefas

O seu filho pode ter dificuldade em saber como começar. Uma das dificuldades do TDAH é conseguir priorizar os compromissos e estabelecer um plano de ação. Então, se você faz um pedido muito amplo e pouco objetivo como “arrume seu quarto”, ele pode se atrapalhar e acabar não fazendo. A melhor forma é dar ordens mais objetivas como: arrume sua cama ou guarde tais e tais brinquedos. Um passo de cada vez.

  • Recompense pelo comportamento positivo

Pessoas com TDAH precisam de motivação para conseguir fazer as atividades. Uma forma de motivar o seu filho é oferecendo recompensas se ele fizer determinada atividade. Ex: diga que ele pode comer sobremesa se ele guardar os brinquedos, ou dê algum biscoito quando ele completar uma tarefa. Essa é uma das técnicas que o nosso App FOCUS utiliza: você ou seu filho acumula pontos por cada tarefa cumprida e os troca por prêmios.

Além disso, é importante elogiar o seu filho pelo comportamento positivo. Parabenize e agradeça quando ele fizer o que foi pedido. As crianças tendem a querer agradar os pais, apesar de que algumas, como as com TDAH, possam ter mais dificuldade na hora de fazer isso. O elogio, nesse caso, também pode ser uma fonte de motivação.

  • Certifique-se de que seu filho entendeu o que você disse.

Pergunte para ele se ele entendeu o que você disse e peça para ele repetir. Corrija-o se necessário.

Conversar efetivamente com seu filho é um aprendizado. Tenha em mente que as dificuldades do seu filho não são falta de vontade ou culpa de vocês. Por fim, seja paciente com você mesmo e permita-se errar. Você está dando o melhor que pode e é isso que importa.

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.yahoo.com/lifestyle/tips-communicating-child-adhd-050502916.html

 

Compartilhe com seus amigos!
VIDEOGAME PARA O TRATAMENTO DO TDAH É APROVADO PELO FDA

VIDEOGAME PARA O TRATAMENTO DO TDAH É APROVADO PELO FDA

Recentemente o FDA (Food and Drug Administration- organização responsável pela aprovação de tratamentos médicos nos Estados Unidos) aprovou o primeiro videogame capaz de ser usado como tratamento para problemas de saúde.

O EndeavorRX (AKL-T01), jogo produzido pela Akili Interactive, é um jogo mobile que foi autorizado para o tratamento de crianças com TDAH entre 8-12 anos de idade. Essa é uma decisão tomada após 7 anos de estudos para analisar a eficácia do vídeo-game.

Um desses estudos, um ensaio clínico randomizado, publicado no The Lancet Digital Health esse ano, avaliou 857 crianças entre 15 de julho de 2016 e 30 de novembro de 2017. Os pacientes foram randomizados em dois grupos, um de intervenção com o jogo AKL-T01 e outro de grupo controle. A intervenção no grupo controle foi desenhada para parear o AKL-T01 em expectativa, engajamento e tempo de jogo na forma de um jogo digital, que tinha como alvo domínios cognitivos diferentes do AKL-T01 e não associados primariamente ao TDAH.

A intervenção com o AKL-T01 melhorou significativamente a performance numa medida objetiva de atenção, um teste computacional de atenção (TOVA API), em crianças com TDAH em comparação com o grupo controle. Desfechos secundários como medidas de atenção feitas por pais e médicos não encontraram diferenças entre os grupos. Por conta disso, os pais não devem necessariamente esperar grandes mudanças no comportamento dos filhos.

Efeitos adversos foram encontrados em um número muito pequeno de pacientes (7% no grupo intervenção e 2% no grupo controle). Os mais comuns foram: frustração, dor de cabeça, tontura, reação emocional ou agressão.

Contudo, como os especialistas alertam, não é recomendado que o tratamento habitual do TDAH – medicação e terapia comportamental- seja descontinuado. O vídeo-game seria apenas um adicional, não um substituto.

De acordo com um porta-voz da empresa, o jogo foi aprovado apenas para ser usado 5 dias por semana por até 25 min por dia. É necessário ter prescrição médica e atualmente é preciso se cadastrar em uma lista de espera no site do jogo para adquiri-lo.

Como os pesquisadores escrevem, o AKL-T01 pode ser adicionado ao tratamento habitual com poucos riscos e a natureza digital da intervenção pode ajudar a diminuir a barreira encontrada no acesso das diferentes formas de tratamento comportamental e outras terapias não medicamentosas.

Comentário do Professor Luis Augusto Rohde (PRODAH/HCPA/UFRGS):
Vários outros jogos envolvendo treinamento cognitivo foram testados em TDAH. Os resultados considerados centrais nos estudos prévios foram mudanças em sintomas de TDAH relatados por pais e/ou professores. Vários desses jogos mostraram melhora de funções cognitivas associadas ao TDAH, mas com pouca melhora nos sintomas do transtorno. O mesmo ocorreu com esse novo videogame. A diferença é que os autores promoveram os testes cognitivos a desfechos centrais a serem avaliados e passaram os sintomas do TDAH relatados para desfechos secundários. Assim, mesmo chegando a resultados similares aos de estudos anteriores, puderam dizer que a intervenção foi eficaz para o que consideraram central. Fica a pergunta: Como pais, o que buscam no tratamento do TDAH de seus filhos? Melhora de uma função cognitiva num teste computadorizado ou dos sintomas percebidos no dia a dia? Se a resposta é a segunda, o vídeogame não se mostrou a solução.

Referências:
– A novel digital intervention for actively reducing severity of paediatric ADHD (STARS-ADHD): a randomised controlled trial Prof Scott H Kollins, PhD, Denton J DeLoss, PhD, Elena Cañadas, PhD, Jacqueline Lutz, PhD, Prof Robert L Findling, MD, Prof Richard S E Keefe, PhD et al.
DOI:https://doi.org/10.1016/S2589-7500(20)30017-0
Link: https://www.thelancet.com/journals/landig/article/PIIS2589-7500%2820%2930017-0/fulltext#articleInformation
https://abcnews.go.com/GMA/Wellness/video-game-approved-fda-potentially-children-adhd/story?id=71340522
https://www.theverge.com/2020/6/15/21292267/fda-adhd-video-game-prescription-endeavor-rx-akl-t01-project-evo

Compartilhe com seus amigos!
COMO TRABALHAR DE CASA COM TDAH

COMO TRABALHAR DE CASA COM TDAH

Com a transição para o trabalho remoto, muitos adultos com TDAH tem dificuldade para manter a produtividade tão bem quanto quando estavam no escritório.

Há um desbalanço de neurotransmissores, sobretudo dopamina, no córtex pré-frontal em pacientes com TDAH. Essa área do cérebro é responsável pelas funções executivas, o que faz com que as pessoas com TDAH tenham dificuldade nessas funções e na capacidade de se autorregularem.

Isso tudo resulta em dificuldades na concentração, organização, em saber priorizar e manejar o tempo; pode levar a inquietude ou hiperfoco e ao mau controle de impulsos.

Por conta dessas dificuldades- que tendem a afetar diversas áreas da vida dos indivíduos-, pessoas com TDAH podem necessitar de um ambiente de trabalho que as ajude a manter a rotina e a estrutura, além de colegas compreensivos. A mudança para o trabalho remoto tem sido um desafio para a maioria das pessoas, podendo ser ainda mais desafiadora para aqueles que sofrem com TDAH.

A mudança de ambiente pode ter mudado também a forma como o trabalho é feito e as tarefas também se alteraram para suprir a nova realidade que estamos vivendo. A falta de estrutura fornecida pelo ambiente de trabalho aliada a cronogramas incertos que foram sendo adaptados paulatinamente pode tornar difícil manter o foco, estabelecer uma rotina e conseguir priorizar compromissos para pessoas com TDAH.

Para alguns, a motivação externa é um fator importante para fazer com que as tarefas sejam completadas, e essa motivação fica prejudicada em um ambiente incerto, com expectativas vagas.

“O ambiente de trabalho pode ser estressante, porém ele fornece comunidade. Ter colegas e precisar estar presente e ter performance pode dar as pessoas com TDAH a estrutura que elas precisam para ser produtivas quando elas ficam estagnadas ou precisam de suporte”, disse Robin Nordmeyer, co-fundadora e diretora geral do Center for Living Well with ADHD em Minnesota.

“Há um lugar específico para sentar quando você tem que completar tarefas mundanas”, disse Maggie Sibley, professora de psiquiatria e ciências do comportamento na University of Washington School of Medicine. “E provavelmente também há um supervisor que te responsabiliza e garante que você esteja trabalhando em um ritmo bom. Quando você se muda para casa, de repente você tem que fazer muito dessa auto regulação por conta própria e isso pode ser bastante desafiador para pessoas com TDAH”.

“Então esse é o momento de ficar criativo e criar esse cenário”, disse Nordmeyer.

Replique seu ambiente de trabalho

Considere o que você precisava no trabalho para ser produtivo e funcional e como você pode simular esse ambiente em casa, disse Nordmeyer.

Evite trabalhar em espaços de relaxamento como seu quarto ou em frente à televisão, disse Sibley. Experimente o que é melhor para você: talvez seja trabalhar em um quarto silencioso ou em um em que as cortinas estejam fechadas e assim você não se distrai com o que está do lado de fora.

Converse com sua família sobre dividir as tarefas de casa para manter a casa limpa e organizada de maneira produtiva, como o escritório deve ser. Bagunça pode drenar sua energia e tirar sua atenção daquilo que você precisa focar.

Planeje seu dia na noite anterior

Planeje seu dia na noite anterior para ter sucesso em manejar performance e comportamento no trabalho, sugere Nordmeyer

Quando planejar, note quais são suas prioridades (selecione poucas – as mais importantes). O que você precisa focar e quando? Como essas prioridades mapeiam o fluxo do seu dia?

Como a dopamina decai da manhã para a tarde, divida o seu dia para focar em tarefas menos desejáveis e complexas mais cedo durante o dia e coloque tarefas mais fáceis e divertidas para o final do dia.

Tenha uma rotina da manhã

Assim como você tem que aparecer cedo no trabalho para começar o dia as 9h, mantenha a mesma rotina da manhã em casa.

Acorde no mesmo horário que você normalmente acordaria e se vista antes de iniciar o dia. “Assim você está assumindo a persona de um trabalhador profissional”.

Trabalhe junto com um colega

Manter-se focado nas tarefas e completar compromissos pode ser desafiador. Convide algum colega que você seja próximo para trabalhar junto com você virtualmente, para ajudar com a prestação de contas e o foco. Ou procure online por um laboratório de coworking para TDAH.

Faça uma conferência por vídeo ou check-ups matinais para discutir a carga de trabalho e então crie um grupo onde você possa intermitentemente relatar como o trabalho está fluindo.

Outras estratégias

Peça para seu supervisor orientação na hora de priorizar tarefas de uma forma que não te estigmatize como incapaz por conta do TDAH, disse Nordmeyer. Assim, peça para marcar um checkup no início da semana para que você possa revisar o que é mais importante para os próximos dias, o que ajuda no seu planejamento.

Peça para o seu supervisor estabelecer prazos para reforçar o senso de responsabilidade e te colocar em “modo de urgência” e assim complete os trabalhos conforme a sua importância.

Use o modo de motivação baseado na tentativa de agradar as pessoas para se motivar, ou seja, faça o trabalho com o intuito de não desapontar alguém.

Por fim, tire vantagem do seu amor por desafios para ter hiperfoco e ficar na zona de trabalho, completa Nordmeyer

Artigo adaptado e traduzido de https://edition.cnn.com/2020/05/29/health/working-from-home-coronavirus-adhd-wellness/index.html

Compartilhe com seus amigos!
ATENÇÃO: O APLICATIVO FOCUS VAI MUDAR!

ATENÇÃO: O APLICATIVO FOCUS VAI MUDAR!

Vem aí uma boa novidade para 2020. Estamos trabalhando em uma nova versão do aplicativo FOCUS. Uma versão mais eficiente. Uma versão melhor.
Para ter acesso a essas melhorias, contudo, será necessário baixar a nova versão! Mas não se preocupe: vamos enviar uma mensagem aos usuários para que baixem a nova versão quando estiver disponível.
Enquanto isso aproveite o nosso app na versão atual! Aos pouco traremos mais informações.


Compartilhe com seus amigos!
OS ÓLEOS DE ÔMEGA-3 AUMENTAM A ATENÇÃO TANTO QUANTO OS MEDICAMENTOS PARA O TDAH EM ALGUMAS CRIANÇAS

OS ÓLEOS DE ÔMEGA-3 AUMENTAM A ATENÇÃO TANTO QUANTO OS MEDICAMENTOS PARA O TDAH EM ALGUMAS CRIANÇAS

Os suplementos de óleo de peixe ômega-3 podem melhorar a atenção em crianças com transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) tanto quanto os tratamentos com medicamentos, mas apenas naqueles cujos níveis sanguíneos de ômega-3 são baixos, mostraram resultados de testes de um estudo publicado há duas semanas.

Pesquisadores da Grã-Bretanha e Taiwan que conduziram o estudo disseram que suas descobertas sugerem que uma abordagem de “medicina personalizada” deve ser adotada nesta e em outras condições psiquiátricas.

A literatura mostra que o déficit de ômega-3 e de outros ácidos graxos essenciais parece ter correlação com a patogênese do TDAH e que muitos pacientes com TDAH tem níveis sanguíneos mais baixos desses elementos.

“Os suplementos de ômega-3 só funcionavam em crianças com níveis mais baixos de EPA (ácido eicosapentaenóico) no sangue, como se a intervenção estivesse repondo a falta desse nutriente importante”, disse Carmine Pariante, professor do Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência no King’s College London, que co-liderou o estudo.

Ele disse que o trabalho estabelece um precedente para outras intervenções nutricionais e pode ser o começo de “trazer os benefícios da ‘psiquiatria personalizada’ para crianças com TDAH”.

O TDAH é uma condição cerebral comum que afeta entre 3% e 7% das pessoas em todo o mundo. Os sintomas podem incluir problemas de atenção e impulsividade que causam dificuldades nas relações acadêmicas, profissionais e pessoais.

Neste estudo, publicado na revista Translational Psychiatry, pesquisadores da King’s e da China Medical University, em Taiwan, conduziram um ensaio clínico randomizado com 92 crianças de 6 a 18 anos com TDAH. Os principais desfechos analisados foram atenção focada, impulsividade, atenção sustentada e vigilância.

As crianças receberam altas doses do ácido graxo ômega-3 EPA, ou um placebo, por 12 semanas e tiveram seus níveis de ácidos graxos sanguíneos medidos antes e após o tratamento.

Os resultados mostraram que a suplementação de ômega-3 melhora a atenção focada em relação ao placebo. O benefício é ainda mais marcante em crianças com os níveis mais baixos de EPA no sangue, que apresentaram melhorias na atenção focada e vigilância.

A equipe de Pariante disse que, embora a quantidade de melhoria na atenção e vigilância do metilfenidato (ritalina) seja geralmente de 0,22 a 0,42, o efeito observado em crianças com baixos níveis de EPA no estudo foi maior – 0,89 para atenção concentrada e 0,83 para vigilância.

Mas em crianças com níveis normais de EPA, os suplementos de ômega-3 não melhoraram, e naqueles com alto nível de EPA, os suplementos tiveram efeitos negativos nos sintomas de impulsividade.

Os cientistas alertaram que os pais não devem dar aos filhos suplementos de óleo de peixe sem consultar primeiro um médico e enfatizaram que os níveis de ômega-3 podem ser verificados com um exame de sangue.

Traduzido com adaptações de artigo publicado por Kate Kelland em 19 de novembro de 2019, no site reuters.com

 

Comentários do Professor Luis Augusto Rohde coordenador do PRODAH da UFRGS/HCPA:

A questão da associação de baixos níveis de ômega-3 com TDAH é controversa, com algumas meta-análises (estudos que sintetizam o efeito do ômega-3 em todos os estudos sobre o assunto) mostrando resultados positivos e outros negativos. O estudo é interessante porque mostra que essa associação pode se dar apenas num grupo de pacientes com TDAH. Como é um primeiro estudo, precisa ser replicado para termos ideia mais solida da validade clínica da suplementação em pacientes com baixos níveis de ômega-3 e TDAH. O efeito do metilfenidato na atenção tende a ser maior do que o apontado pelos pesquisadores no comentário sobre o artigo.

 

Referências:


Compartilhe com seus amigos!
CHEGARAM AS PROVAS FINAIS: COMO AJUDAR SEU FILHO A SE PREPARAR?

CHEGARAM AS PROVAS FINAIS: COMO AJUDAR SEU FILHO A SE PREPARAR?

 

Os mais de 20 anos trabalhando com crianças e adolescentes com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) nos ensinaram que essa é uma hora crucial para as famílias. Chegou dezembro, e com ele, as provas finais. Os alunos com TDAH procrastinam, empurram com a barriga, esperando, mesmo sem saber, que o estresse desencadeie a liberação de um neurotransmissor excitatório – a noradrenalina – numa área específica do cérebro, o córtex pré-frontal.  Esse neurotransmissor é um dos responsáveis por estimular as funções executivas.

Essa descarga coloca os portadores de TDAH em ação! Algo que para acontecer depende, em muitos casos, dessa descarga, ou de muita motivação. Nessa última situação, pela liberação no córtex pré-frontal de um outro neurotransmissor, a dopamina. O TDAH, assim como a maioria dos transtornos mentais, é uma condição dimensional na população. Ou seja, mesmo sem o diagnóstico pleno, muitas pessoas têm algumas características do transtorno. Logo, o planejamento de como estudar e como enfrentar os testes finais é algo relevante também para crianças e adolescente sem qualquer diagnóstico psiquiátrico!

Uma palavra de cautela para quem nos acompanha nessa coluna. Buscamos sempre discutir e informar com base em evidência científica. Infelizmente, essa é uma área, onde existem muito poucos estudos comparativos entre estratégias para enfrentar a situação. Frente a urgência, vamos ao que a experiência clínica e o bom senso sugerem.

 

Passo 1:  estudando para os testes finais

A máxima inicial não vale aqui! “Estude com antecedência e regularmente” fica para uma próxima vez. Mas não adianta fugir, como o “diabo da cruz”. Estudo continuado e sequencial, ao invés do massivo de última hora, ainda é a estratégia que parece dar o melhor!

– Selecione o material necessário para o estudo. Isso muitas vezes pode significar ter que entrar em contato com aquele (a) colega que tem tudo organizado, ou com a mãe dele (a), para solicitar esse material. Muitas vezes, o bom é inimigo do ótimo! Procure selecionar o essencial para a preparação da prova, e não todos os livros, temas e cadernos da matéria;

– Organize o espaço de estudo mantendo-o livre de distratores. Não tem jeito: você terá que convencer o seu filho(a) que ele terá que ficar sem o celular nesse momento e o computador só poderá ser usado para a procura de conteúdo relacionado ao estudo. Escolha um ambiente calmo, longe de janelas e outros distratores;

– Programe a matéria a estudar. Definido qual o conteúdo da prova, faça um roteiro dos tópicos a estudar. Determine e registre com seu filho o tempo para cada tópico;

– Faça intervalos. Embora não pareça existir evidência clara para a alegação popular de que os jovens não conseguem manter mais do que 10-15 minutos de atenção continuada, dividir o tempo de estudo em unidades de cerca de 30 minutos pode ser uma estratégia interessante, ainda mais se seu filho (a) já tiver alguma dificuldade atencional;

– Determine um tempo de estudo razoável. Mesmo que ele (a) tenha pego inúmeras recuperações, maratonas de estudo tendem a ser pouco eficazes. Turnos de não mais do que 2-3 horas, em casos de máxima necessidade, sempre com intervalos regulares tendem a ser o máximo tolerável;

– Pratique com provas anteriores. A pouca evidência existente na área indica que fazer provas de anos anteriores ou qualquer teste sobre o conteúdo da prova é disparado a melhor estratégia para estudar. Aqui há uma vantagem adicional. Permite ajudar o (a) seu/sua filho (a) a reconhecer quais os tópicos que ele (a) já sabe e quais ele (a) precisa estudar mais, ajudando-o (a) a se concentrar nesses últimos;

– Peça para ele (a) lhe explicar o que entendeu da matéria estudada. Esse exercício de resumir e recontar o conteúdo verbalmente ajuda alguns jovens a memorizar melhor os conteúdos estudados.

 

Passo 2:  antes dos testes

– O sono na noite anterior à prova é fundamental. Vários estudos mostram que o sono adequado é essencial para a consolidação de dados armazenados na memória de trabalho. Essa é a memória similar a memória RAM do computador, ou seja, aquela que vai manter todas as informações online que seu/sua filho (a) vai precisar para responder às questões das provas.

Se ele (a) tem dificuldade de dormir quando tem um evento importante no dia seguinte, prepare-o (a) para situação. Isso pode envolver medidas de higiene do sono, ou até mesmo uso de um indutor do sono. Mas nunca use qualquer substância com a qual ele (a) não tenha tido experiência prévia!

– Uma alimentação saudável antes dos testes é fundamental. As crianças não devem ir para provas sem ter comido nada, para evitar episódios de hipoglicemia, mas deve-se evitar refeições muito pesadas para que não fiquem sonolentos.

 

Passo 3:   fazendo os testes finais

– Evite distrações. Se o espelho de classe não estiver rigidamente definido, converse com seu filho (a), estimulando-o (a) a escolher um lugar calmo, longe de distrações, como janelas, e longe de colegas barulhentos ou que o (a) atrapalhem;

– Uma perspectiva positiva sempre ajuda! Nos momentos antes das provas, ensine ele (a) a respirar fundo algumas vezes e a visualizar-se fazendo as provas, respondendo às questões e recebendo um resultado positivo da prova. Parece bobo, não? A experiência clínica sugere, entretanto, que, muitas vezes, somos tomados antes das provas por ansiedade de desempenho e inúmeros pensamentos disfuncionais negativos, do tipo: “não sei nada, não estudei o suficiente, vou me ralar”. Esse “estado de espírito” afeta claramente a nossas funções executivas;

– Ajude-o (a) a avaliar o teste de uma forma global. São quantas questões? Qual o tempo total que ele (a) tem? Ele (a) deve determinar o tempo médio por questão. É útil ter um cronometro durante os testes, mas ele deve ser usado de forma racional, ou seja, cuidado para ele trabalhar a favor do seu/sua filho (a). Ajuda-lo (a) a organizar o tempo sem aumentar a sua ansiedade. Ao ler cada questão, ele (a) deve avaliar se essa é uma questão que para ele (a) é difícil ou fácil. Para as fáceis, deve determinar um tempo menor que o médio para resolvê-las e para as difíceis um tempo maior do que o médio. O tempo exato vai depender do tempo total e do número de questões;

– Lembre ele (a) de ler cada questão duas vezes e, acima de tudo, sublinhar a solicitação central de cada questão;

– Estimule-o (a) a não seguir a ordem do teste. Ele (a) deve resolver todas as questões que têm certeza antes. Marcar com um ”D” as que considera difíceis e com “SD” de superdifíceis, as que não tem a menor ideia da resposta. Deve resolver as difíceis antes das superdifíceis, usando as estratégias acima. Para todas as superdifíceis, marcar a mesma letra, em caso de provas objetiva. Preferencialmente, a letra menos frequente nas respostas para as perguntas que ele (a) tem certeza. Se a prova penaliza resposta erradas, deixar essas sem resposta;

– Insista que ele (a) seja o (a) último (a) a entregar a prova. Não há qualquer prêmio para quem entrega a prova antes! Revisar com cuidado as respostas. Mas, após uma análise cuidadosa, ficar com a resposta que ele (a) considera certa. Ou seja, retirada a possibilidade de erro de atenção por não ter lido com cuidado a questão, acreditar nele (a) próprio (a)! Alguns estudos sugerem que a troca de resposta nessas condições leva a maior chance de erro do que de acerto, ou seja, a primeira impressão é a que vale!

O mais importante é customizar as dicas acima ao estilo do (a) seu/sua filho (a) ou as características dele (a). Pode ter certeza de que nem todas funcionam para todo mundo, mas muitas delas vão ajudá-lo (a) nesse fim de ano.

Fonte:
Luis Augusto Rohde
Professor titular de psiquiatria da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Professor da pós-graduação em psiquiatria na universidade de São Paulo

Matéria publicada na revista Veja em 5 de dezembro de 2019.
https://veja.abril.com.br/blog/letra-de-medico/chegaram-as-provas-finais-como-ajudar-seu-filho-a-se-preparar/

Compartilhe com seus amigos!
COMO POSSO AJUDAR MEU FILHO COM TDAH A ADORMECER?

COMO POSSO AJUDAR MEU FILHO COM TDAH A ADORMECER?

Como entender o TDAH e o sono interrompido

O sono é a pedra angular do bem-estar em todas as idades, especialmente para crianças em crescimento. Quando é hora de dormir para uma criança com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), as dificuldades com o sono podem aparecer, afetando os pais e a criança. De fato, estudos mostraram que até sete em cada dez crianças com TDAH apresentam distúrbios clínicos do sono.

Uma falsa sensação de segurança

Uma sensação de alívio e tranquilidade poderia tomar conta dos pais quando uma criança com TDAH vai para a cama. Problemas relacionados ao sono podem incluir resistência a ir para a cama, dificuldade em adormecer, permanecer adormecido ou acordar muito cedo.

Os pais podem reagir inicialmente com pavor: “Por favor, deixe-me ter paz à noite!” Ou ceticismo: “A noite deveria ser a hora em que meu filho estaria calmo.” Quando distúrbios do sono e sono irregular passam despercebidos, normalmente há um impacto negativo no funcionamento diurno que pode piorar os sintomas do TDAH.

Na encruzilhada entre sono ruim e TDAH

Crianças com dificuldades do sono podem apresentar hiperatividade, impulsividade ou irritabilidade, enquanto os adultos têm maior probabilidade de sentir sonolência, fadiga e baixa energia. Uma avaliação médica cuidadosa do sono sempre deve ser realizada antes do diagnóstico do TDAH e do início do tratamento.

Crianças com TDAH apresentam taxas mais altas de sonolência diurna e risco aumentado de distúrbios do sono (por exemplo, respiração desordenada do sono, síndrome das pernas inquietas, movimentos periódicos dos membros durante o sono e distúrbios do ritmo circadiano) do que crianças não afetadas pelo TDAH.

Quando uma criança já foi diagnosticada, outro fator complicador a considerar é que os tratamentos baseados em evidências para o TDAH (por exemplo, as várias preparações estimulantes derivadas da anfetamina ou o metilfenidato) podem exacerbar a insônia e os distúrbios do sono. Além disso, distúrbios psiquiátricos co-ocorrentes (por exemplo, depressão e ansiedade) comuns em crianças com TDAH podem afetar o sono, a energia e a concentração.

Solução de problemas para a hora do sono

Os tratamentos comportamentais do sono funcionam. Embora um plano comportamental de sono deva ser guiado por um médico treinado, aqui estão algumas dicas experimentadas de higiene do sono que podem ser implementadas em casa, para uma melhor qualidade do sono:

– Crie um bom ambiente de sono, o que significa uma sala escura e fresca com distrações mínimas;

– Estabeleça uma rotina regular de quando dormir e acordar (mesmo nos finais de semana);

– Remova as distrações do quarto, como TVs, computadores, telefones e dispositivos de jogos;

– Evite refeições grandes antes de dormir;

– Faça exercícios regularmente e mantenha uma dieta saudável;

– Evite cochilos durante o dia;

– Garanta que as crianças tenham a oportunidade de dormir adequadamente. Pré-escolares geralmente precisam de 10 a 13 horas de sono por noite, enquanto as crianças em idade escolar precisam de 9 a 11 horas.

Incluir uma avaliação médica

À medida que cresce a nossa compreensão da relação entre o TDAH e o sono interrompido, também cresce a nossa apreciação da necessidade de diagnosticar e tratar com sucesso os distúrbios co-ocorrentes do sono mais cedo, para evitar o risco de complicações mais tarde na vida. É mais saudável para a criança obter um diagnóstico correto.

Vários medicamentos comumente usados ​​para o TDAH podem causar insônia ou sono fragmentado, além de outros efeitos colaterais potencialmente indesejados (por exemplo, ansiedade, irritabilidade e diminuição do apetite). Se houver um distúrbio do sono subjacente que esteja contribuindo ou causando sintomas do TDAH, ele deve ser identificado e tratado.

Para recuperar uma hora de dormir tranquila em sua casa, converse com seu pediatra ou um especialista em sono para explorar a gama de opções de tratamento eficazes que existem para crianças com TDAH e distúrbios do sono que co-ocorrem.

O co-autor Chester Wu, MD, treinado em psiquiatria de adultos e medicina do sono, é psiquiatra da equipe dos Serviços Ambulatoriais de Menninger. Ele é professor assistente do Departamento Menninger de Psiquiatria e Ciências Comportamentais da Baylor College of Medicine.

Artigo adaptado e traduzido, publicado em 5 de novembro de 2019, no blog psychology today.

Outras referências:

  1. Corkum P, Tannock R, Moldofsky H. Sleep disturbances in children with attention-deficit/hyperactivity disorder. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 1998;37(6):637-46.
  2. Cortese S, Konofal E, Yateman N, Mouren MC, Lecendreux M. Sleep and alertness in children with attention-deficit/hyperactivity disorder: a systematic review of the literature. Sleep. 2006;29(4):504-11.
  3. Hiscock H, Sciberras E, Mensah F, et al. Impact of a behavioural sleep intervention on symptoms and sleep in children with attention deficit hyperactivity disorder, and parental mental health: randomised controlled trial. BMJ. 2015;350:h68.

https://www.psychologytoday.com/us/blog/mind-matters-menninger/201911/how-can-i-help-my-child-adhd-fall-asleep

Compartilhe com seus amigos!
O APLICATIVO FOCUS VAI MUDAR!

O APLICATIVO FOCUS VAI MUDAR!

O Focus TDAH está constantemente em processo de melhoria e atualização. Para que possamos seguir desenvolvendo uma solução para melhor atender às necessidades dos pacientes com TDAH, precisamos de SUA CONTRIBUIÇÃO.

Acesse o link da pesquisa e dê sua opinião. A construção do FOCUS TDAH 2020 começa agora. Participe!

Em dezembro já teremos algumas mudanças. Veja o que será implementado.

Acesse: www.focustdah.com.br

Compartilhe com seus amigos!
DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO TDAH GRATUITOS NO SUS

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DO TDAH GRATUITOS NO SUS

CHEGOU A HORA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE OUVIR A SUA VOZ!

A CONITEC, Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS, Ministério da Saúde, lançou hoje uma consulta pública – de número 20/2019, que estará aberta até 25 de novembro de 2019 – para elaboração de Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT), com a finalidade de apresentar as recomendações para diagnóstico e tratamento de pessoas com TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade) atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

ESTA É UMA OPORTUNIDADE ÚNICA PARA TERMOS TRATAMENTO PARA O TDAH NA REDE PÚBLICA!

Reflete um esforço de vários atores, entre eles a ABDA (Associação Brasileira do Déficit de Atenção) profissionais de saúde e educação que trabalham com TDAH.

Atualmente, é raro a CONITEC abrir chamados para doenças que não sejam as doenças raras ou de maior gravidade.

Portanto, se não houver manifestação maciça da sociedade, eles podem fechar o chamado por falta de interesse público e nunca mais abri-lo.

Assim, é fundamental que cada um leia rapidamente o PCDT ( Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas), mas, principalmente, que se Manifeste, Responda e Escreva. Por fim, divulgue nas suas listas de e-mail, WhatsApp e mídias sociais.

OBS: Ao preencher o formulário, você pode contar a sua experiência e a necessidade de acesso ao tratamento para as pessoas com TDAH, seja você pessoa que tem TDAH, familiar ou profissional.

Caso voce seja profissional, é importante se voce puder anexar artigos/textos científicos que fundamentem sua argumentação.

VOTE PELO TDAH !!!

Para ler o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT):

http://conitec.gov.br/images/Enquete/Enquete20_Escopo_PCDT_TDAH.pdf

PARA VOTAR NA ENQUETE, CLIQUE AQUI: http://formsus.datasus.gov.br/site/formulario.php?id_aplicacao=52012

Não esqueça de preencher TODO o formulário da ENQUETE, dar sua opinião e clicar em GRAVAR.

Sua participação quer dizer que, pela primeira vez, através desta consulta pública, o Ministério da Saúde ouvirá nossas vozes e poderá incorporar o tão esperado DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E MEDICAÇÃO PARA TDAH por meio SUS (Sistema Único de Saúde).

A Enquete termina no dia 25 de novembro.

Consulta: https://tdah.org.br/tratamento-tdah-pelo-sus-ministerio-da-saude/

Compartilhe com seus amigos!
TDAH E MENOPAUSA: O QUE VOCÊ PRECISA SABER E O QUE PODE FAZER

TDAH E MENOPAUSA: O QUE VOCÊ PRECISA SABER E O QUE PODE FAZER

Já é difícil ter um transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Mas se você é uma mulher passando pela pré-menopausa ou menopausa, pode achar que está ficando ainda mais difícil.

A pré-menopausa ocorre nos anos que antecederam a menopausa. Pode levar alguns meses ou 10 anos, embora o tempo médio seja de quatro anos. Durante esse período, seus níveis de estrogênio diminuem até que seus ovários parem de liberar óvulos. A menopausa ocorre quando você não menstrua há 12 meses.

A diminuição dos níveis de estrogênio pode realmente exacerbar os sintomas e, para algumas mulheres, o declínio é repentino e dramático. As flutuações hormonais afetam a bioquímica do cérebro e, consequentemente, os sintomas do TDAH, de acordo com a Dra. Patricia Quinn, M.D., pediatra do desenvolvimento e diretora do National Center for Girls and Women with ADHD.

” O estrogênio é uma área muito crítica, mas muitas vezes esquecida, no tratamento de mulheres com TDAH”, diz ela. “Costumo ouvir mulheres que relatam que ao entrar na pré-menopausa elas têm mais problemas com os sintomas do TDAH ou que a medicação estimulante parece não estar funcionando tão bem quanto antes”.

Especificamente, o estrogênio afeta a liberação dos neurotransmissores serotonina e dopamina. “A deficiência de dopamina é responsável pelo aumento dos sintomas do TDAH”, disse ela, enquanto menos serotonina leva ao humor deprimido. É por isso que as mulheres se sentem tão infelizes durante os ciclos menstruais, quando os níveis de estrogênio diminuem.

“Como a falta de dopamina é um sinal característico do TDAH, essa mudança adicional na dopamina pode levar a dificuldades ainda maiores com concentração e foco”, disse Stephanie Sarkis, Ph.D, conselheira nacional certificada e conselheira de saúde mental licenciada e autora de 10 Simple Solutions to Adult ADD and Adult ADD: A Guide for the Newly Diagnosed.

Algumas mulheres também acham que seus medicamentos para o TDAH são menos eficazes durante a pré-menopausa e a menopausa. Como resultado, os médicos geralmente aumentam a dose. Mas isso pode ser ineficaz, disse Quinn, porque não há nada sendo feito sobre os baixos níveis de estrogênio.

O que você pode fazer sobre o TDAH e a menopausa

“Muitas mulheres são surpreendidas por agravamento dos sintomas do TDAH”, disse a Dra. Quinn. Mas ela e Sarkis enfatizaram que as mulheres com TDAH têm opções efetivas e, ao abordar seus sintomas, podem minimizá-los, funcionar e sentir-se melhor. Aqui estão algumas de suas sugestões.

  1. Consulte seu psiquiatra

Se seus sintomas estão piorando ou seu medicamento não está funcionando com tanta eficácia? Compartilhe essas informações com seu psiquiatra. Se você não está consultando um psiquiatra agora, encontre um especialista em TDAH, disse Sarkis.

Estimulantes e não estimulantes são altamente eficazes para aliviar os sintomas do TDAH (junto com as mudanças comportamentais). E estudos mostraram que ambos melhoram o funcionamento cognitivo e a atenção em mulheres na menopausa sem TDAH.

  1. Consulte também o seu ginecologista

Certifique-se de o seu ginecologista saiba do seu diagnóstico de TDAH (ou problemas cognitivos, se você não foi diagnosticado) e os medicamentos que está tomando. Sarkis também sugeriu que seu psiquiatra e ginecologista tenham uma comunicação aberta sobre seus sintomas.

A terapia hormonal pode ser útil para algumas mulheres na melhoria do funcionamento cognitivo. No entanto, como é controverso, a Dra. Quinn sugeriu que os pacientes e seus ginecologistas avaliam profundamente os benefícios e riscos. Por exemplo, a terapia hormonal pode ser muito arriscada para mulheres com histórico familiar de câncer de mama ou endometrial, disse ela. Mas para mulheres sem esse histórico e cujo funcionamento é dramaticamente prejudicado, a terapia hormonal pode proporcionar um grande alívio.

  1. Avalie seus pontos fortes e fracos

Identifique as áreas da sua vida que estão sendo afetadas e as atividades que se tornaram difíceis para você, disse a Dra. Quinn. As mulheres podem ter problemas extras com tudo, desde manter-se organizada e administrar seu tempo até tomar decisões, ser impulsivas e esquecer as coisas. Como disse a Dra. Quinn, pode parecer que “você está se arrastando pela lama” e as atividades do dia a dia são abundantes.

Além disso, lembre-se de que você pode ter dificuldades cognitivas mesmo quando ainda está menstruada. De fato, de acordo com a Dra. Quinn, “seu estrogênio começa a diminuir 10 anos antes do período menstrual cessar”, o que pode ocorrer entre os 30 e os 40 anos. Você também pode se sentir incapaz de gerenciar atividades que era capaz antes.

  1. Crie uma “vida favorável ao TDAH”

A Dra. Quinn sugeriu que os leitores simplifiquem suas vidas e configurem o que ela chama de uma vida favorável ao TDAH. Isso significa simplesmente levar em consideração seus sintomas, pontos fortes e desafios. Você pode contratar um organizador profissional, trabalhar com um treinador de TDAH, ser ativo e “ter tempo para si mesmo”, o que você absolutamente merece, disse ela.

Fonte:

Artigo traduzido e adaptado da publicação de Margarita Tartakovsky, M.S., no Psych Central, em 8 de out de 2018.

https://psychcentral.com/lib/adhd-and-menopause-what-you-need-to-know-and-what-you-can-do/

ADHD Weekly 2017-08-17

https://chadd.org/adhd-weekly/changing-estrogen-levels-affect-womens-adhd-symptoms-part-three/

 

Outras fontes:

https://www.additudemag.com/add-and-menopause-how-hormones-affect-adhd-symptoms/

https://www.additudemag.com/adhd-in-women-menopause-symptoms/

 

 

 

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top