skip to Main Content
focus_logo_azul

Desenvolvido por

PRODAH - Programa de Transtornos de Déficit de Atenção/Hiperatividade - UFRGS

NOVO ESTUDO APONTA PARA DIFERENÇAS GENÉTICAS EM PACIENTES AFRO AMERICANOS COM TDAH

NOVO ESTUDO APONTA PARA DIFERENÇAS GENÉTICAS EM PACIENTES AFRO AMERICANOS COM TDAH

Muitos estudos sugerem que variantes estruturais do genoma possuem um papel importante na gênese do TDAH. Contudo, a maioria desses estudos foca em regiões codificantes do DNA, regiões que codificam proteínas especificas, e foram primariamente conduzidos em pessoas com ascendência europeia.

Pensando nisso, um grupo de pesquisadores do Children’s Hospital of Philadelphia (CHOP) resolveu estudar uma amostra grande de indivíduos Afro-americanos e compararam regiões codificantes e não codificantes do genoma desses indivíduos Afro-americanos com as de indivíduos de ascendência Europeia. “Nós sentíamos como se estudos anteriores sobre TDAH do ponto de vista genômica não estivessem contando a história completa por conta de quem eles estavam deixando de fora e o que eles estavam escolhendo estudar”, disse Hakon Hakonarson, MD, PhD, Diretor do Centro de Genômica Aplicada no CHOP Research Institute e autor sênior do estudo.

O time de pesquisadores e seus colaboradores geraram dados da sequência genômica completa de 875 participantes, incluindo 205 participantes com TDAH e 670 controles sem TDAH. Afro-americanos representaram 116 dos 205 pacientes com TDAH e 408 dos controles sem TDAH.

Além de confirmar várias variantes estruturais e genes associados ao TDAH já identificados em estudos anteriores, os pesquisadores descobriram 40 novas variantes estruturais em pacientes com TDAH. Eles identificaram um cluster de variantes estruturais nas regiões não codificantes de sequencias envolvidas no funcionamento de cérebro e potencialmente altamente relevantes para o desenvolvimento do TDAH, incluindo expressão genica em fenótipos específicos de TDAH

Houve uma pequena sobreposição (cerca de 6%) nos genes impactados por variantes nucleotídicas isoladas entre indivíduos com ascendência afro-americana e europeia. Essas diferenças foram especialmente pronunciadas nas variantes estruturais não codificantes. Essas variantes podem também impactar como pacientes responde a medicação para o TDAH.

“O sequenciamento genômico completo parece ser uma ferramenta de descoberta valiosa para o estudo de mecanismos moleculares por trás do TDAH”, disse Hakonarson. Adicionalmente, a inclusão de afro-americanos, associada ao estudo de regiões não codificantes do genoma, identificou várias variantes estruturais que indicam caminho para pesquisa futura, uma vez que elas podem impactar tanto na susceptibilidade ao TDAH quanto em como os pacientes respondem a diferentes intervenções terapêuticas”.

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.sciencedaily.com/releases/2020/09/200922112301.htm

Compartilhe com seus amigos!

COMO MELHORAR A ADESÃO AO TRATAMENTO DO PACIENTE COM TDAH | Dr. DANIEL SEGENREICH

Dr. Daniel Segenreich é Professor da Faculdade de Medicina de Petrópolis, Pesquisador do GEDA na UFRJ. Neste vídeo o Dr. Daniel aborda as principais recomendações para profissionais de saúde que trabalham com pacientes com TDAH. Sabemos que a adesão ao tratamento pode ser difícil em alguns casos, para isso trouxemos algumas dicas de como melhorar a adesão com o seu paciente.

Assista ao vídeo através do link: https://youtu.be/w5hi0oL57Wc

Compartilhe com seus amigos!

A SEXUALIDADE EM ADOLESCENTES COM TDAH

Dra. Carmita Abdo é médica psiquiatra, professora pela Universidade de São Paulo e Coordenadora do Curso de Especialização em Sexualidade Humana da USP. Neste vídeo a Dra. Carmita fala mais sobre a vida sexual de pacientes com TDAH e o início de sua atividade na adolescência. Assista ao vídeo através do link: https://youtu.be/CYTaI857F-I

Compartilhe com seus amigos!
TDAH E TRANSTORNO DE ACUMULAÇÃO

TDAH E TRANSTORNO DE ACUMULAÇÃO

O TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade) frequentemente ocorre em conjunto com outros transtornos psiquiátricas. Um deles que pode estar presente é o Transtorno de Acumulação.

De acordo com o DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5ª edição), o Transtorno de Acumulação é classificado como um dos transtornos relacionados ao Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Segundo o manual, indivíduos com esse problema possuem uma dificuldade persistente de se desfazer ou dividir bens, independentemente de seu valor.

Essa dificuldade se deve a uma necessidade percebida de guardar os itens e ao desconforto associado ao se desfazer deles, o que resulta em um acumulo de objetos que ocupam áreas de convívio comprometendo o seu uso. Isso, por sua vez, acaba levando a prejuízos significativos na vida social, ocupacional ou em outras áreas da vida do indivíduo.

Assim como muitos transtornos psiquiátricas, inúmeros fatores incluindo genéticos e ambientais estão envolvidos na gênese do transtorno. Ainda, alguns transtornos psiquiátricos aumentam a propensão para o desenvolvimento desse comportamento, como é o caso do TDAH.

Pessoas com TDAH já possuem uma dificuldade de organização e de auto-regulação, além de poderem agir mais impulsivamente, o que contribui para o comportamento de acumulação.

Se você conhece alguém ou acredita que você possa ter problemas de acumulação, abaixo seguem algumas dicas:

– Não tenha receio de pedir por ajuda. Procure apoio das pessoas próximas de você.

– Não coloque as coisas em um canto, guarde-as no local correto. Tente deixar os itens em casa próximo do seu local de uso.

– Resista a tentação de deixar as coisas para depois. Guarde os objetos assim que terminar de usá-los, por exemplo. Deixar para depois só facilita para que se criem pilhas e colocar os objetos no lugar na hora levará apenas alguns minutos.

– Desapegue da ideia de que algo inutilizado pode eventualmente se tornar útil. Se fizer anos que você não usa algum objeto, talvez esteja na hora de passa-lo adiante…

Referências:
https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK519704/table/ch3.t29/

https://www.psychiatry.org/patients-families/hoarding-disorder/what-is-hoarding-disorder

https://www.psychologytoday.com/ca/blog/conquer-the-clutter/202008/addadhd-and-hoarding-disorder

Compartilhe com seus amigos!

ORIENTAÇÃO A PAIS DE CRIANÇAS COM TDAH: COMO AJUDAR MEU FILHO?

Cuidar de uma criança ou adolescente com TDAH pode trazer muitos desafios, para auxiliar os pais nessa tarefa e promover a saúde dos pais e filhos é que surgiu a orientação de pais.

A orientação de pais e cuidadores é uma intervenção psicológica que busca melhorar a forma que os pais entendem e lidam com os problemas de comportamento do filho associados ao TDAH. Através dela os cuidadores podem aprender a se comunicar de uma forma mais clara e direta, melhorando o convívio familiar e possibilitando uma compreensão sobre as dificuldades que a criança ou o adolescente pode estar passando. Os pais também podem aprender habilidades de autocuidado com a intenção de reduzir o estresse e conseguir se adaptar melhor aos comportamentos e necessidades da criança. Interessante, né?

Para saber mais assista ao vídeo através do link: https://youtu.be/ZVBvPaVaySU

Confira mais vídeos no nosso canal do Youtube!

Compartilhe com seus amigos!
SEGURANÇA DO USO DE PSICOTRÓPICOS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

SEGURANÇA DO USO DE PSICOTRÓPICOS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Os medicamentos psicotrópicos usados no tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), da depressão, da ansiedade ou de outros transtornos de humor foram amplamente estudados na população adulta. Estudos feitos com crianças e adolescentes tendem a focar também majoritariamente na efetividade do uso desses medicamentos. Por conta disso, uma revisão sistemática recente buscou avaliar o perfil de segurança desses medicamentos em crianças e adolescentes.

O estudo buscou sintetizar as evidências disponíveis quanto a segurança de 4 grandes classes de medicamentos psicotrópicos usados em crianças e adolescentes. Os pesquisadores focaram em eventos adversos como efeitos adversos ou outros problemas ligados a 80 medicamentos em quatro categorias: antidepressivos, antipsicoticos, medicamentos usados no TDAH e estabilizadores de humor. Os estudos somaram dados de 337,686 crianças e adolescentes. A maioria dos participantes faziam uso de medicamentos para TDAH ou depressão (aproximadamente 149000 e 121000 respectivamente).

Os efeitos adversos observados no geral foram leves:

  • Antidepressivos: Achados comuns foram náusea, vômitos, e parada de medicação por conta dos efeitos adversos. Escitalopram e fluoxetina foram os menos propensos a causar efeitos adversos.
  • Antipsicóticos: Problemas comuns foram sonolência, movimentos musculares atípicos e ganho de peso. Lurasidona foi o menos propenso a causar efeitos adversos.
  • Medicamentos para o tratamento do TDAH: Problemas comuns foram perda do apetite e insônia. O metilfenidato foi o menos propenso a causar efeitos adversos.
  • Estabilizadores de humor: efeitos comuns foram sonolência e ganho de peso. O lítio foi o menos propenso a causar efeitos adversos apesar de que os efeitos a longo prazo como lesão renal podem estar mal representados.

Uma das limitações do estudo foi a falta de dados sobre efeitos adversos para muitas das medicações usadas nos estudos analisados. Além disso, efeitos raros e de longo prazo foram provavelmente mal representados na amostra.

O que os pais devem questionar quando seu filho recebe a prescrição de um psicotrópico?

  • Para que serve a medicação? Muitos pais não sabem ao certo o porquê de seu filho estar usando determinada medicação. Esteja ciente do diagnóstico do seu filho, do porquê de ele necessitar a medicação e no que a medicação pode ajudar. Você também pode solicitar recomendação de fontes de informação na internet, etc.
  • Esta medicação é a única opção disponível? Questione sobre as razões de prescrever cada opção e os potenciais riscos e benefícios
  • Quais são os efeitos adversos esperados? Procurar cada um dos efeitos adversos possíveis pode não ser viável, porque a lista pode ser longa e gerar ansiedade desnecessária. Foque nos efeitos adversos comuns e importantes. Muitos adolescentes podem ter dificuldade em aderir a medicação regularmente, portanto questione sobre efeitos de retirada importantes.
  • Por quanto tempo o seu filho deve fazer uso do medicamento? Apesar de não ser possível prever o futuro, procure saber qual a proposta de plano de tratamento.
  • O que mais você deve saber? Alguns medicamentos requerem cuidados adicionais como exames de sangue periódicos, restrição de alguns alimentos e de outros medicamentos por exemplo.

Por fim, esteja ciente de que o medicamento é apenas parte do tratamento. Apesar de ser uma das ferramentas mais importantes, abordagens comportamentais, sociais e ambientais também estão envolvidas.

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.health.harvard.edu/blog/children-teens-and-the-safety-of-psychotropic-medicines-2020080620715

 

 

Compartilhe com seus amigos!

DIFICULDADES NO TDAH: CÉREBRO E FUNÇÕES EXECUTIVAS

Nós usamos várias funções mentais, ou funções cognitivas, para conseguir fazer as atividades de nossa vida, como atenção, memória, inteligência. Uma das funções mais importantes são as funções executivas, que usamos para atividades como pegar o ônibus até criar, desenvolver e finalizar um projeto complexo no trabalho. Essas funções tem um papel fundamental nas dificuldades observadas no TDAH. Para entender mais sobre as funções executivas, e começar a compreender como elas explicam os déficits no TDAH, assista ao nosso vídeo  através do linkhttps://youtu.be/v1FChkKIs7w

Confira mais vídeos no nosso canal do Youtube!

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top