skip to Main Content
focus_logo_azul

Desenvolvido por

PRODAH - Programa de Transtornos de Déficit de Atenção/Hiperatividade - UFRGS

SEGURANÇA DO USO DE PSICOTRÓPICOS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

SEGURANÇA DO USO DE PSICOTRÓPICOS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

Os medicamentos psicotrópicos usados no tratamento do Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), da depressão, da ansiedade ou de outros transtornos de humor foram amplamente estudados na população adulta. Estudos feitos com crianças e adolescentes tendem a focar também majoritariamente na efetividade do uso desses medicamentos. Por conta disso, uma revisão sistemática recente buscou avaliar o perfil de segurança desses medicamentos em crianças e adolescentes.

O estudo buscou sintetizar as evidências disponíveis quanto a segurança de 4 grandes classes de medicamentos psicotrópicos usados em crianças e adolescentes. Os pesquisadores focaram em eventos adversos como efeitos adversos ou outros problemas ligados a 80 medicamentos em quatro categorias: antidepressivos, antipsicoticos, medicamentos usados no TDAH e estabilizadores de humor. Os estudos somaram dados de 337,686 crianças e adolescentes. A maioria dos participantes faziam uso de medicamentos para TDAH ou depressão (aproximadamente 149000 e 121000 respectivamente).

Os efeitos adversos observados no geral foram leves:

  • Antidepressivos: Achados comuns foram náusea, vômitos, e parada de medicação por conta dos efeitos adversos. Escitalopram e fluoxetina foram os menos propensos a causar efeitos adversos.
  • Antipsicóticos: Problemas comuns foram sonolência, movimentos musculares atípicos e ganho de peso. Lurasidona foi o menos propenso a causar efeitos adversos.
  • Medicamentos para o tratamento do TDAH: Problemas comuns foram perda do apetite e insônia. O metilfenidato foi o menos propenso a causar efeitos adversos.
  • Estabilizadores de humor: efeitos comuns foram sonolência e ganho de peso. O lítio foi o menos propenso a causar efeitos adversos apesar de que os efeitos a longo prazo como lesão renal podem estar mal representados.

Uma das limitações do estudo foi a falta de dados sobre efeitos adversos para muitas das medicações usadas nos estudos analisados. Além disso, efeitos raros e de longo prazo foram provavelmente mal representados na amostra.

O que os pais devem questionar quando seu filho recebe a prescrição de um psicotrópico?

  • Para que serve a medicação? Muitos pais não sabem ao certo o porquê de seu filho estar usando determinada medicação. Esteja ciente do diagnóstico do seu filho, do porquê de ele necessitar a medicação e no que a medicação pode ajudar. Você também pode solicitar recomendação de fontes de informação na internet, etc.
  • Esta medicação é a única opção disponível? Questione sobre as razões de prescrever cada opção e os potenciais riscos e benefícios
  • Quais são os efeitos adversos esperados? Procurar cada um dos efeitos adversos possíveis pode não ser viável, porque a lista pode ser longa e gerar ansiedade desnecessária. Foque nos efeitos adversos comuns e importantes. Muitos adolescentes podem ter dificuldade em aderir a medicação regularmente, portanto questione sobre efeitos de retirada importantes.
  • Por quanto tempo o seu filho deve fazer uso do medicamento? Apesar de não ser possível prever o futuro, procure saber qual a proposta de plano de tratamento.
  • O que mais você deve saber? Alguns medicamentos requerem cuidados adicionais como exames de sangue periódicos, restrição de alguns alimentos e de outros medicamentos por exemplo.

Por fim, esteja ciente de que o medicamento é apenas parte do tratamento. Apesar de ser uma das ferramentas mais importantes, abordagens comportamentais, sociais e ambientais também estão envolvidas.

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.health.harvard.edu/blog/children-teens-and-the-safety-of-psychotropic-medicines-2020080620715

 

 

Compartilhe com seus amigos!
ESTUDO SUGERE QUE PESSOAS COM TDAH SÃO MAIS PROPENSAS A ADQUIRIR COVID-19

ESTUDO SUGERE QUE PESSOAS COM TDAH SÃO MAIS PROPENSAS A ADQUIRIR COVID-19

Recentemente foi publicado um estudo conduzido por pesquisadores de Israel intitulado “TDAH como fator de risco para infecção com COVID-19”.

Os pesquisadores analisaram 14022 indivíduos registrados no Leumit Health Services entre fevereiro a abril de 2020 e  que fizeram ao menos um teste de COVID nesse período. Cerca de 10% dos indivíduos testaram positivo. Os pesquisadores encontraram que as taxas de TDAH eram significativamente maiores no grupo que testou positivo (16,24%) em comparado com o grupo que testou negativo (11,65%).

O risco de testar positivo para COVID era maior nos indivíduos com TDAH não tratado comparado com aqueles sem diagnostico de TDAH, mesmo controlando os dados para status socioeconômico e variáveis demográficas, gênero e idade. Os indivíduos com TDAH tratado não tinham risco aumentado em relação aqueles sem o diagnostico.

Ao contrário do TDAH, outros transtornos psiquiátricos como ansiedade e depressão tiveram uma associação contrária, sendo no caso associados com um menor risco de testar positivo para COVID.

Uma das explicações sugeridas pelos autores do estudo é a de que pessoas com TDAH podem ser mais propensas a correr riscos como entrar em contato com outras pessoas e a frequentar aglomerações. Pessoas com TDAH tendem a buscar recompensas momentâneas, sacrificando por vezes as consequências a longo prazo.

Outra possibilidade é a de que pessoas com TDAH se sujeitem inadvertidamente a situações de risco ou que possam aderir menos as recomendações de isolamento. Contudo, uma vez que o estudo não mostrou relação de causalidade, é possível que haja outra explicação para os achados.

Artigo adaptado e traduzido de: https://psychcentral.com/blog/adhd-millennial/2020/07/study-suggests-people-with-adhd-more-likely-to-get-covid-19#3

Referência:  Merzon E, Manor I, Rotem A, et al. ADHD as a Risk Factor for Infection With Covid-19. Journal of Attention Disorders. 2021;25(13):1783-1790. doi:10.1177/1087054720943271

Compartilhe com seus amigos!
NOVE SINAIS DE TDAH EM ADULTOS

NOVE SINAIS DE TDAH EM ADULTOS

Conviver com o TDAH não diagnosticado pode trazer algumas desvantagens. Por um lado, você pode acabar se sentindo subestimado quanto a suas habilidades e pode até mesmo se sentir desmotivado por conta das dificuldades do TDAH. Entender como as suas dificuldades funcionam pode ajudar você a estabelecer estratégias que sejam verdadeiramente efetivas ao mesmo tempo em que pode servir de incentivo para que você use suas aptidões ao seu favor.

Judy Katz, terapeuta ocupacional em Chicago que trabalha com crianças com TDAH e que também foi diagnosticada com TDAH, separou alguns sinais que podem estar presentes no TDAH na vida adulta:

1) Você se distrai nos próprios pensamentos

É comum para pessoas com TDAH se distraírem e perderem parte de informações em conversas, programas de TV ou qualquer outra forma mais longa de conteúdo. Uma pequena distração é suficiente para fazer com que você se perca em uma cadeia de pensamentos. Uma dica é: gravar a conversa sempre que for participar de uma reunião importante.

2) Você se distrai com o ambiente

É possível que você se perca durante caminhadas ou dirigindo para o trabalho, especialmente se houver alguma distração no caminho. De repente você percebe e já passou duas quadras do ponto onde deveria dobrar…

3) Você apresenta hiperatividade motora

Isso significa que você tem dificuldade em se manter parado. Pode significar por exemplo que você precise caminhar ou utilizar as mãos de alguma forma, como através de um spinner.

4)  Você procura estímulos sensório-orais

Você pode sentir a necessidade de mascar chiclete, beber café, ou morder a pontinha do lápis para se manter calmo ou focado.

5) Você consegue prender a atenção por um curto período de tempo

Você perde o foco, seus olhos vagam para outro lugar ou você se perde em pensamentos.

6) Você tem dificuldade de se organizar com tarefas diárias

Você esquece ou perde objetos com frequência como chaves, guarda-chuvas ou cartões. Você tem dificuldade em organizar tarefas diárias como lavar a roupa, manter a casa limpa, marcar consultas ao médico…

7) Você tem dificuldade no manejo do tempo

Planejar com antecedência ou calcular o tempo necessário para tomar banho, se vestir e chegar a tempo é um grande desafio para você!

8) Você tem ansiedade

Saber que os outros dependem de você para manejar o seu tempo e o deles pode ser uma grande fonte de ansiedade. Você fica ansioso sabendo de suas dificuldades com medo de que elas se manifestem, como por exemplo, a possibilidade de esquecer um compromisso importante.

9) Você tem dificuldade em iniciar tarefas e completa-las

Você perde muito tempo procrastinando e por vezes acaba se envolvendo em múltiplos projetos ao mesmo tempo, muitas vezes não terminando nenhum deles.

Se você tiver receio de que tem TDAH, tente conversar com o seu médico ou procure algum profissional especializado. TDAH tem tratamento e isso pode trazer inúmeros benefícios em vários aspectos da sua vida social e profissional!

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.purewow.com/wellness/signs-of-adhd-in-adults

 

 

 

Compartilhe com seus amigos!
UMA PEQUENA DOSE DE EXERCÍCIO É CAPAZ DE MELHORAR A PERFORMANCE ACADÊMICA DE CRIANÇAS COM TDAH

UMA PEQUENA DOSE DE EXERCÍCIO É CAPAZ DE MELHORAR A PERFORMANCE ACADÊMICA DE CRIANÇAS COM TDAH

Com a pandemia, todos os pais conhecem o eterno desafio de fazer as crianças se concentrarem nos estudos, principalmente aquelas com TDAH.  No texto de hoje vamos falar de uma estratégia promissora e que a princípio não é muito difícil de ser empregada.

Em 2009, pesquisadores descobriram que apenas 20 minutos de exercício aeróbico moderado com elevação da frequência cardíaca para 60% da frequência máxima do individuo podia melhorar a performance acadêmica de crianças imediatamente.

“Pense nisso como aproximadamente o ritmo da caminhada para a escola pela manhã” disse Charles Hillman, autor do estudo e Diretor Associado do Center for Cognitive and Brain Health da Northeastern University. Crianças pré-adolescentes caminharam em uma esteira por 20 minutos e após foram administrados testes cognitivos (a velocidade era fácil o suficiente para que nenhuma criança não fosse capaz de acompanhar). A conclusão foi que “Doses agudas e únicas de exercício aeróbico moderadamente intenso podem melhorar o controle cognitivo da atenção” por pelo menos 60 minutos após.

O exercício aeróbico, como diz Hillman, ajuda crianças a focarem a sua atenção durante as tarefas demandantes- como as aulas online- e as ajuda a afastar distrações. Esse foco permite que elas processem informação mais rapidamente, diz ele, o que se traduziu no estudo  numa melhor acurácia nas medidas cognitivas e maiores notas alcançadas em leitura e matemática.

E quanto a crianças com TDAH, que já sofrem com dificuldade na concentração, poderia o exercício físico ser útil?

Um estudo de 2012 descobriu que imediatamente após o exercício, crianças com TDAH tinham uma performance melhor em testes de leitura e matemática e tinham níveis melhores de atenção e auto-regulação. Ainda, num estudo de 2020, crianças com idades entre 11 e 16 anos com TDAH que faziam exercício com bicicleta por 20 minutos em intensidade moderada tiveram melhoras similares na capacidade de focar em tarefas por pelo menos 60 minutos após o exercício.

Segundo Matthew Pntifex, professor associado do Departamento de Cinesiologia da Michigan State University e autor do estudo de 2012, “elas foram mais capazes de regular seu comportamento e tiveram mais capacidade de estabelecer ações corretivas”

Isso acontece porque o exercício parece ajudar na habilidade da criança de inibir impulsos inapropriados e de selecionar uma resposta mais apropriada para esses impulsos.

O exercício também pode ajudar a suprimir respostas motoras para comportamentos aprendidos, como falar alto durante a aula. Na sala de aula, esse controle ajuda as crianças a focarem nas instruções. Em casa, isso pode ajudar elas a focarem na aula online e resistirem à tentação de jogar videogame.

A boa notícia é que 20 minutos podem não ser necessários. Até mesmo pequenas doses de exercício durante as pausas podem ser efetivas, o que pode ser mais prático para os pais. Qualquer atividade física serve.

Em 2004, Matt Mahar, diretor da School of Exercise and Nutritional Sciences da San Diego State University, desenvolveu o programa “Energizers”, uma série de exercícios físicos de pequena duração que crianças podem praticar. Mahar recomenda 2 ou 3 pausas por dia para ajudar as crianças a focarem na tarefa, onde quer que estejam. Exercício no meio do período de estudo, como escreve Mahar, é parte de um achado consistente das pesquisas de que “ atividade física baseada na sala de aula resulta em melhores comportamentos durante a tarefa do que aulas sedentárias com os alunos sentados” para todas as crianças, não apenas aquelas com TDAH.

As crianças são mais propensas a aderir a atividade se seus pais não dizem simplesmente a elas para “fazerem exercício físico”. Pais e crianças podem usar a criatividade, mas preferencialmente deve-se focar em atividades que a criança já gosta. Experts concordam que agregar atividade ao ar livre é uma combinação ideal, e pode-se optar por soluções simples. Apenas uma caminhada serve. Por exemplo, Hillmann recomenda começar o dia com uma caminhada de 20 minutos e adicionar pequenas pausas de mobilidade durante o dia.

Que tal dar uma volta?

Artigo adaptado e traduzido de:

https://www.washingtonpost.com/health/exercise-breaks-help-kids-with-adhd-learn/2020/08/14/57f41e94-cc2f-11ea-bc6a-6841b28d9093_story.html#comments-wrapper

Compartilhe com seus amigos!
MEDICAMENTOS NÃO-ESTIMULANTES NO TRATAMENTO DO TDAH E COMO ELES FUNCIONAM:

MEDICAMENTOS NÃO-ESTIMULANTES NO TRATAMENTO DO TDAH E COMO ELES FUNCIONAM:

Há dois principais tipos de medicação para o TDAH:

  • Estimulantes: são a primeira linha do tratamento para pessoas com TDAH e incluem medicações como ritalina®, concerta® e venvanse®.
  • Não-estimulantes: são frequentemente prescritos quando alguém não responde aos estimulantes, tem alguma história de abuso de substancias ou tem efeitos adversos intoleráveis aos estimulantes.

Nesse texto, vamos falar um pouco sobre medicamentos não estimulantes:

Pesquisas mostram que cerca de 30 a 50% das crianças e adultos com TDAH descontinuam os estimulantes devido aos efeitos adversos ou a falta de resposta.

“Ainda que os estimulantes sejam mais eficazes e funcionem melhor, eles são mais propensos a causar adição e efeitos adversos. Não-estimulates, por outro lado, não são tão eficazes mas são menos propensos a causar efeitos adversos e não tem nenhum potencial aditivo” Diz Ravi N. Shah, MD, professor assistente de psiquiatria no Columbia University Irving Medical Center.

Estimulantes e não estimulantes parecem ter mecanismos de ação diferentes, embora a exata maneira de ação desses medicamentos no TDAH ainda não seja conhecida.

Atualmente existem três medicamentos não-estimulantes aprovados pelo FDA para uso no TDAH:

Atomoxetina

Foi o primeiro nao-estimulante a ser aprovado para o tratamento do TDAH.

Ainda não está claro como a atomoxetina funciona, porém pesquisadores acreditam que ela inibe a reabsorção de norepinefrina na fenda sináptica, um neurotransmissor que aumenta o foco, aumentando a sua concentração no cérebro.

Uma revisão de cinco estudos clínicos demonstrou que a atomoxetina é eficaz no tratamento do TDAH apesar de ser menos eficiente que os estimulantes. De acordo com a American Academy of Child and Adolescent Psychiatry (AACAP), a taxa de resposta a atomoxetina é de apenas 50%.

Alguns dos seus efeitos adversos incluem fatiga e indigestão. Não está disponível no Brasil, mas pode ser solicitada via importação mediante autorização da Anvisa.

Clonidina

A clonidina é uma medicação que foi orginalmente produzida para tratar a hipertensão arterial. O mecanismo exato pelo qual a clonidina age na redução dos sintomas do TDAH é ainda desconhecido, mas ela parece agir através da ativação pós-sinaptica dos receptores de norepinefrina. Porém, foi demonstrado que ela é capaz de melhorar os sintomas de desatenção, impulsividade e hiperatividade em pacientes com TDAH.

Dentre os efeitos adversos, destacam-se: náusea, sonolência  e diminuição da pressão arterial. Ela está disponível no Brasil.

Guanfacina

Guanfacina, como a clonidina, também foi originalmente desenvolvida para tratar a hipertensão arterial. Ela também age através da ativação pós-sinaptica dos receptores de norepinefrina, melhorando a atividade do córtex pré-frontal. Isso ajuda na regulação da atenção e no controle dos impulsos em pacientes com TDAH.

A guanfacina é atualmente aprovada apenas para o tratamento de crianças e adolescentes com TDAH com idades entre 6-17. Alguns dos efeitos adversos relatados são náusea, cansaço e diminuição da pressão arterial. Não está disponível no Brasil, mas pode ser solicitada via importação mediante autorização da Anvisa.

Por que usar não estimulantes?

Medicamentos não estimulantes são uma boa opção de segunda linha para o tratamento do TDAH, especialmente para pacientes que experenciaram problemas com o uso de estimulantes.

“ Os guidelines sugerem que você inicie com os estimulantes, mas há um papel para os não-estimulantes em situações específicas”, diz Shah. “Por exemplo, para pessoas que tem uma história de adição ou de efeitos adversos aos estimulantes. Existem também pessoas que apenas não gostam da ideia de tomar um medicamento controlado, e não-estimulantes são uma boa opção nesse cenário também”.

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.insider.com/non-stimulant-adhd-medication

Compartilhe com seus amigos!
TDAH E MANEJO DA RAIVA

TDAH E MANEJO DA RAIVA

Um dos sintomas não muito conhecido do TDAH e que também pode estar presente é a dificuldade na regulação emocional e manejo da raiva. Nas crianças isso pode se manifestar na forma de birras e irritabilidade enquanto nos adultos, além da irritabilidade, pode se manifestar como explosões de raiva. 

Apesar dos estimulantes ajudarem nos sintomas típicos do TDAH como desatenção e hiperatividade, eles não parecem surtir o mesmo tamanho de efeito na  regulação emocional. Então, o que pode ser feito? 

No caso de crianças com TDAH, a terapia pode ser útil. Na terapia, a criança pode aprender habilidades que a permitam fazer uma releitura das situações além de regular suas próprias emoções de forma adequada. Além disso, os próprios pais podem receber aconselhamento profissional para que eles aprendam como lidar nas situações em que a criança manifesta descontrole da raiva.

É importante descartar, contudo, outros transtornos comórbidos que possam estar contribuindo para a irritabilidade e ataques de raiva. Um psiquiatra experiente pode, ainda, ajustar a medicação do TDAH e receitar outros medicamentos caso necessário. 

No caso de adultos, a Terapia Cognitivo-comportamental (TCC) pode ser uma boa opção. Na TCC, o paciente pode desenvolver habilidades e mecanismos para usar nas diferentes situações e assim conseguir lidar com os momentos de estresse. A meditação e o mindfulness, atualmente em moda, também são alternativas possíveis. 

Por fim, vale lembrar que um estilo de vida saudável, com alimentação e sono adequados, atividade física regular além de momentos de lazer e entretenimento são importantes para o bem estar e podem contribuir de forma positiva no estado emocional. 

Artigo adaptado e traduzido de: ttps://www.psychologytoday.com/intl/blog/helping-kids-through-adhd/202008/adhd-anger-and-emotional-regulation

Compartilhe com seus amigos!
DICAS PARA MELHORAR A PRODUTIVIDADE (PARTE 2)

DICAS PARA MELHORAR A PRODUTIVIDADE (PARTE 2)

No último texto, selecionamos 3 dicas que podem ajudar você a se tornar mais produtivo. Teste algumas delas e tente aplicar no seu dia a dia aquelas que funcionarem melhor para você. Lembre-se de não se frustrar caso você não se adapte a alguma delas, pois não existe receita de bolo nem regras!

Hoje traremos mais outras estratégias que podem ser uteis:

Regra dos 5 minutos.

Sabe aquela tarefa que você vem procrastinando a um tempo? Aquela que só de pensar embrulha seu estômago? Talvez essa dica ajude você.

Programe-se para gastar apenas 5 minutos na tarefa antes de começa-la. Você pensa: “vou me dedicar apenas 5 minutos” e é isso. Se após esse tempo você se sentir motivado a continuar tudo bem, do contrário se passado esse tempo você quiser parar tudo bem também!

Separe as tarefas mais importantes

Eu sei que você tem várias coisas para fazer. Porém quando você planeja sua lista de atividades, você tem que separar aquelas que são mais importantes e deve fazer elas primeiro. É mais fácil se sentir motivado no início e se você deixar as coisas importantes para o final, vai estar sem energia para fazer aquilo que mais precisava ser feito. 

Alarmes e calendário

Uma dica para ajudar você a não esquecer compromissos é anotar em um calendário os compromissos fixos com antecedência. No momento em que você já tem estabelecida a data da reunião, anote em um calendário e programe um alarme no seu celular para o dia. Não deixe para fazer isso depois, porque você pode esquecer e acabar tornando mais difícil para se organizar. Ter um esquema do mês além das listas de tarefas diárias ajuda você a não esquecer prazos e compromissos com data marcada. O alarme no celular pode ser também um ótimo lembrete.

Artigo adaptado e traduzido de: https://www.healthline.com/health/mental-health/7-adhd-inspired-hacks-for-better-concentration#5.-MIT:-Most-important-tasks

Compartilhe com seus amigos!
DICAS PARA MELHORAR A PRODUTIVIDADE (PARTE 1)

DICAS PARA MELHORAR A PRODUTIVIDADE (PARTE 1)

Quem TDAH certamente já sofreu com a procrastinação. Não conseguir iniciar as tarefas e deixar tudo para última hora é uma dificuldade bem conhecida. Porém existem estratégias que podem ser utilizadas para ajudar você a driblar esse problema. Separamos algumas que podem ajudar você:

1- Bullet Journal
Se você tem dificuldade para se adaptar aos planners comprados prontos, essa dica é para você.

Os planners comprados tem a limitação de muitas vezes não serem exatamente aquilo que procuramos ou precisamos. O problema é que tentar fazer o seu próprio planner pode ser uma tarefa difícil.
Sendo assim, o bullet Journal é uma forma de contornar esse problema. Ele é um método de organização que você pode aplicar em qualquer caderno. Ele ajuda você a criar notas de forma organizada de tudo aquilo que você quiser, inclusive listas de seus filmes favoritos.

2- Faça tudo de uma vez

Essa é uma dica para aquelas tarefas simples e fáceis que ficamos procrastinando como responder e-mails. Quando você pensar em abrir seu e-mail, faça tudo o que precisa de uma vez: leia os e-mails novos e responda aquilo que tem que responder, delete os spams e pronto. Você vai perceber que passaram apenas alguns minutinhos. Se você deixar para depois a chance é que vai acabar acumulando.

3- Tecnica pomodoro

Esse método pode ajudar você não só a estudar, mas a fazer qualquer tarefa mais longa que exija algum tempo de dedicação, como arrumar as roupas e limpar a bagunça. A técnica consiste em cronometrar 25 minutos em que você vai se dedicar integralmente a tarefa em questão seguido de 5 minutos de pausa e assim sucessivamente em ciclos. Após alguns ciclos você pode fazer um intervalo maior. O legal é que existem sites com cronômetros prontos na internet.

Artigo baseado e traduzido de: https://www.healthline.com/health/mental-health/7-adhd-inspired-hacks-for-better-concentration#5.-MIT:-Most-important-tasks

Compartilhe com seus amigos!
CARGA DE DOENÇA E CUSTOS MÉDICOS DO DIAGNÓSTICO DE TDAH EM ADULTOS.

CARGA DE DOENÇA E CUSTOS MÉDICOS DO DIAGNÓSTICO DE TDAH EM ADULTOS.

O Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade, ainda é pouco reconhecido na população adulta, apesar de seu impacto na qualidade de vida.

Um estudo retrospectivo de coorte longitudinal publicado em 2020 buscou analisar os custos médicos e a carga de doença do TDAH diagnosticado em adultos.

Para isso, os pesquisadores coletaram informações em alemão do banco de dados InGef de seguros de vida estatutários. Ao todo, foram identificados 2,380 indivíduos adultos que receberam diagnóstico de TDAH, sendo que 60% deles eram homens e tinham uma média de idade ao diagnóstico de 35 anos. Os pacientes então tiveram seus dados analisados antes e depois de receberem o diagnóstico, no período entre 2012 e 2017.

Os pacientes foram subsequentemente classificados de acordo com a prescrição de medicamentos específicos para TDAH. Os pacientes que receberam ao menos 2 prescrições de medicamento durante o primeiro ano após o diagnóstico foram classificados como “uso inicial de medicação para TDAH”, enquanto aqueles que receberam apenas uma ou nenhuma foram classificados como não tendo medicação inicial. 

Os pesquisadores encontraram que, nos anos anteriores ao diagnóstico, as comorbidades psiquiátricas, medicamentos para transtornos específicos (principalmente antidepressivos), psicoterapia e custos em saúde aumentavam, atingindo um pico no ano do diagnóstico. Após o diagnóstico, essas variáveis tendiam a cair porém eram maiores comparado com os níveis observados antes do diagnóstico. Isso sugere um aumento progressivo da carga sintomática ao longo dos anos antes do diagnóstico. Estudos anteriores já haviam demonstrado que o atraso no reconhecimento do TDAH pode levar ao aparecimento ou piora de várias comorbidades psiquiátricas. 

Além disso, comorbidades, medicamentos correspondentes, psicoterapia, custos em saúde, auxílio doença e dias de licença médica eram mais frequentes em pacientes com uso inicial de medicação, sugerindo uma maior carga de doença. 

Um achado importante do estudo foi que menos de 1/3 dos pacientes receberam qualquer prescrição de medicamento para TDAH no início do diagnóstico. Ao mesmo tempo, cerca de 2/3 dos indivíduos receberam psicoterapia no ano do diagnóstico. Isso mostra que o uso de estimulantes é ainda relutantemente prescrito na população adulta.

O desenho longitudinal desse estudo permitiu um acompanhamento dos pacientes antes e depois do diagnóstico de TDAH. Porém, uma das limitações do estudo é que alguns indivíduos podem ter recebido o diagnóstico de TDAH na infância, o que não pôde ser analisado dentro do período de dados coletados no estudo.

Referência:
Libutzki B, May M, Gleitz M, Karus M, Neukirch B, Hartman CA, Reif A. Disease burden and direct medical costs of incident adult ADHD: A retrospective longitudinal analysis based on German statutory health insurance claims data. Eur Psychiatry. 2020 Oct 1;63(1):e86. doi: 10.1192/j.eurpsy.2020.84. PMID: 32998793; PMCID: PMC7576526.

Compartilhe com seus amigos!
FATORES PSICOLÓGICOS ENVOLVIDOS NA ADESÃO A PISCOFARMACOS

FATORES PSICOLÓGICOS ENVOLVIDOS NA ADESÃO A PISCOFARMACOS

A adesão aos psicofármacos é essencial para o tratamento efetivo dos pacientes psiquiátricos. Pensando nisso, uma revisão sistemática publicada em 2020 no Patient Education and Counseling Journal  buscou analisar na literatura vigente fatores psicológicos de controle de saúde que estivessem relacionados a adesão ao tratamento medicamentoso. 

Ao todo foram incluídos 29 estudos, totalizando uma amostra de 222 adolescentes, a maioria com Transtorno de Déficit De Atenção/ Hiperatividade (TDAH), e 6139 adultos, diagnosticados especialmente com esquizofrenia, Transtorno de Humor Bipolar ou Transtorno Depressivo.

De acordo com o estudo, a adesão aos psicofármacos depende de diversos fatores sociodemográficos, clínicos e psicológicos. Ela está relacionada às crenças que os pacientes têm acerca da saúde e a variáveis psicológicas como a auto-eficácia e o locus de controle.

As principais razões encontradas para a não-adesão à farmacoterapia foram os efeitos adversos e a falta de motivação.  Além disso, a não-adesão medicamentosa foi associada com menores níveis de escolaridade e de status socioeconômico. Como escrevem os autores, isso poderia influenciar as percepções do indivíduo acerca da sua saúde mental e o seu comportamento em relação a sua saúde.

No geral, o diagnóstico e a duração do tratamento farmacológico não foram capazes de prever a adesão, apesar de que os sintomas e a gravidade da doença foram associados com a adesão medicamentosa.

Quanto a não-adesão não intencional, uma das principais barreiras encontradas foi a do esquecimento. 

Altas taxas de adesão foram relacionadas com uma maior percepção do indivíduo da necessidade do uso de tratamento medicamentoso e com o desejo de evitar readmissão no hospital. A participação no processo de decisão foi um fator também capaz de aumentar a adesão e a satisfação de alguns pacientes.

Além disso, foi encontrada uma associação positiva entre adesão e bem-estar, qualidade de vida e suporte familiar. Como escrevem os autores, isso corrobora a relevância de relações interpessoais positivas no processo de adesão aos medicamentos.

Sendo assim, como concluem os pesquisadores, são necessários programas multifacetados para promover a melhor adesão. Por exemplo, a educação dos pacientes poderia incluir o aumento da confiança nos medicamentos (aumento da percepção da necessidade) bem como informações sobre como a adesão aos medicamentos poderia aumentar a qualidade de vida. Além disso, também poderiam ser empregadas intervenções que incluam o comprometimento da família no tratamento do paciente, bem como uma participação mais ativa do paciente no processo de decisão.

Referência:
Marrero RJ, Fumero A, de Miguel A, Peñate W. Psychological factors involved in psychopharmacological medication adherence in mental health patients: A systematic review. Patient Educ Couns. 2020 Oct;103(10):2116-2131. doi: 10.1016/j.pec.2020.04.030. Epub 2020 May 7. PMID: 32402489.

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top