skip to Main Content
focus_logo_azul

Desenvolvido por

PRODAH - Programa de Transtornos de Déficit de Atenção/Hiperatividade - UFRGS

O QUE A CIÊNCIA SABE SOBRE O USO DE NEUROFEEDBACK NO TRATAMENTO DO TDAH

IMG 5993
Post Series: Infância & Adolescência

O neurofeedback é uma modalidade terapêutica que utiliza como estratégia a auto-regulação de padrões de atividade cerebral. A atividade cerebral é observada através de parâmetros do eletroencefalograma (EEG), obtido com a disposição de eletrodos em certos pontos da cabeça do paciente. Esses parâmetros são então apresentados ao paciente através de estímulos visuais, auditivos ou tácteis de forma que o paciente voluntariamente altere esses parâmetros em direção a um padrão desejado.

Essa terapia se baseia no princípio de neuroplasticidade cerebral e na capacidade de exames como EEG de registrarem a atividade do cérebro. Boa parte dos protocolos de neurofeedback objetivam suprimir padrões indesejáveis observados no EEG ou aumentar a expressão de padrões desejáveis, o que pode ser alcançado através de treinamento. A forma como os eletrodos são dispostos e os parâmetros de EEG avaliados variam, dependendo do objetivo da terapia.

Apesar do racional teórico, as evidências sobre o uso do neurofeedback no TDAH são conflitantes. Uma meta analise de 13 estudos publicada por Cortese et al  em 2016 no American Academy of Child and Adolescent Psychiatry não encontrou evidências que sustentassem seu uso. Os pesquisadores afirmaram que quando os dados eram analisados selecionando-se apenas desfechos cegados (i.e., avaliação de parâmetros de resposta pelos pesquisadores sem saber se o paciente era do grupo do neurofeedback ou do grupo controle) ou grupos controle de alta qualidade, os efeitos do tratamento deixavam de ser significativos.

Eles escreveram que o tipo de protocolo de neurofeedback implementado nos ensaios clínicos também não parecia ter importância na determinação do desfecho. Existem algumas definições de protocolos padrão que consideram parâmetros de EEG, a montagem do EEG, numero de sessões, etc. Ao todo, foram encontrados apenas 3 ensaios clínicos que utilizaram o protocolo padrão e que cegaram a avaliação dos desfechos. A análise desses dados mostrou uma melhora de 20% nos sintomas de desatenção, contudo, os resultados também não foram estatisticamente significativos.

Os resultados dessa meta-analise foram limitados pela qualidade dos estudos avaliados, como ressaltam os próprios pesquisadores. Muitos estudos apresentavam cegamento incompleto ou duvidoso.

Uma segunda meta-analise mais recente de Van Doren at al publicada em 2018 European Child & Adolescent Psychiatry encontrou benefícios clínicos sustentados do tratamento com neurofeedback após 6-12 meses de seguimento. Esse estudo avaliou os efeitos nos sintomas de TDAH imediatamente após o tratamento e após um período de 2-12 meses. Foi encontrado uma melhora significativa nos sintomas de desatenção e hiperatividade-impulsividade.

Apesar disso, a possibilidade de efeito placebo na melhora observada com o neurofeedback não pôde ser totalmente descartada. Os efeitos do NF foram maiores que os encontrados no grupo controle que não recebeu tratamento, contudo, os pesquisadores afirmam que ensaios clínicos com grupos controle que mimetizem bem o tratamento de neurofeedback são necessários.

Mesmo com o grande volume de pesquisas, o neurofeedback continua a ser uma abordagem terapêutica no TDAH com evidências controversas sobre a sua eficácia, apesar de ser um método aparentemente seguro. Inúmeras limitações foram encontradas nos estudos produzidos até o momento, ao mesmo tempo em que alguns estudos não encontraram resultados estatisticamente significativos. É necessária uma maior padronização dos protocolos utilizados nos diferentes estudos, bem como metodologias com cegamento adequado e grupos controles que descartem melhor a possibilidade de efeito placebo.

 

Referências:
Van Doren, J., Arns, M., Heinrich, H. et al. Sustained effects of neurofeedback in ADHD: a systematic review and meta-analysis. Eur Child Adolesc Psychiatry 28, 293–305 (2019). https://doi.org/10.1007/s00787-018-1121-4
– Cortese S1, Ferrin M2, Brandeis D3, Holtmann M4, Aggensteiner P5, Daley D6, Santosh P7, Simonoff E7, Stevenson J8, Stringaris A7, Sonuga-Barke EJ9; European ADHD Guidelines Group (EAGG).Neurofeedback for Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder: Meta-Analysis of Clinical and Neuropsychological Outcomes From Randomized Controlled Trials
J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2016 Jun;55(6):444-55. https://doi.org/10.1016/j.jaac.2016.03.007
– Neurofeedback: https://www.sciencedirect.com/topics/neuroscience/neurofeedback

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top