skip to Main Content

HACKATHON TDAH – COMO PODEMOS MELHORAR A ADESÃO AO TRATAMENTO DE PACIENTES COM TDAH ATRAVÉS DA INCORPORAÇÃO DA TECNOLOGIA?

Bdeec46a Fe33 40ad 87d6 D9a2b8922687
Post Series: TDAH & Cérebro

Você sabia que em média 50% dos pacientes crônicos não aderem ao tratamento?1 E que no TDAH esse número cai para 12%?2 No Brasil temos mais de 230 milhões de smartphones em uso3? Ainda, que o acesso a ferramentas digitais oferece a possibilidade de maior alcance a formas mais significativas de atenção a saúde a pacientes, familiares, provedores e instituições de saúde4?  Ou que a falta de manejo dos eventos adversos, resposta sub ótima ao tratamento, baixa adesão ao tratamento, são os principais motivos para o alto abandono do tratamento para o TDAH? Por fim, que uma ferramenta que permita uma melhor comunicação e relacionamento entre profissional de saúde, paciente e seus colaboradores pode impactar significativamente no maior engajamento do paciente e seu ecossistema, ampliando a adesão ao tratamento TDAH?5. Pois bem esse é o contexto base para desenvolvimento do aplicativo FOCUS TDAH.

Agora, buscando um maior envolvimento e participação dos usuários no processo de criação e desenvolvimento, foi lançado o primeiro HACKATHON TDAH. O termo Hackathon vem da fusão das palavras em inglês “hack”, que significa ‘quebrar’, ‘descobrir’, ‘desvendar’ ou mesmo ‘programar com excelência’, e “marathon”, de maratona. Ou seja, Hackathon é uma maratona de descobertas ou busca de soluções para um problema real. A essência de um Hackathon é envolver pessoas de diferentes características e habilidades, que compartilhem um mesmo foco para o desenvolvimento de soluções a problemas comuns, neste caso o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade). Ou mais especificamente: Como podemos melhorar a adesão ao tratamento do TDAH através da incorporação de tecnologia?

Durante os dias 13 e 14 de setembro, no Hospital de Clínicas de Porto Alegre, ocorreu a primeira fase, de ideação, do HACKATHON TDAH. O evento reuniu médicos, profissionais de saúde, pacientes com TDAH, familiares e designers, em um desafio colaborativo e cocriativo. Ao todo foram geradas 195 ideias, desenvolvidas por mais de 60 participantes divididos em 8 equipes multidisciplinares. Neste desafio as equipes puderam vivenciar a jornada do paciente com TDAH e apresentaram um Pitch com soluções a serem validadas. A segunda fase do HACKATHON TDAH, prototipagem, ocorrerá no início de dezembro com a apresentação das equipes finalistas a uma banca de especialistas.

O evento contou com a participação de representantes da ABDA – Associação Brasileira de Déficit de Atenção e Hiperatividade. A ação foi viabilizada através de um esforço multi institucional entre a equipe do aplicativo FOCUS TDAH, o PRODAH – Programa de Déficit de Atenção e Hiperatividade, o Departamento de Psiquiatria do HCPA, o IBIS – Instituto Brasileiro de Inovação em Saúde, o NITT- Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnológica e a Fundação Médica do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. A Grow+ Ventures conduziu as dinâmicas e atividades num modelo baseado no Design Thinking ou Design Sprint. O HACKATHON TDAH marca o início de uma série de ações de desenvolvimento colaborativo, centrados nas necessidades dos pacientes, com foco na promoção de Saúde Mental através da incorporação de novas tecnologias.

Bibliografia:

  • Sabaté E, editor. Adherence to long-term therapies: evidence for action. Geneva, Switzerland: World Health Organization; 2003.
  • M Victor, Marcelo & Grevet, Eugenio & Iglesias Salgado, Carlos & L Silva, Katiane & O Sousa, Nyvia & Karam, Rafael & Vitola, Eduardo & Picon, Felipe & D Zeni, Gregory & Contini, Veronica & Rohde, Luis & Belmonte-de-Abreu, Paulo & Bau, Claiton. (2009). Reasons for Pretreatment Attrition and Dropout From Methylphenidate in Adults With Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder. Journal of clinical psychopharmacology. 29. 614-6. 10.1097/JCP.0b013e3181c00b1e.
  • Revista Época Negócios – Brasil tem 230 milhões de Smatrphones em uso – 26/04/2019 – 08H20 – ATUALIZADA ÀS 17H13 – POR ESTADÃO CONTEÚDO Disponível em: https://epocanegocios.globo.com/Tecnologia/noticia/2019/04/brasil-tem-230-milhoes-de-smartphones-em-uso.html
  • Ben-Zeev, S.M. Schueller, M. Begale, J. Duffecy, J.M. Kane, D.C. Mohr Strategies for mHealth research: Lessons from 3 mobile intervention studies Administration and Policy in Mental Health and Mental Health Services Research, 42 (2015), pp. 157-167
  • Adherence, persistence, and medication discontinuation in patients with attention-deficit/hyperactivity disorder – a systematic literature review. Gajria K, Lu M, Sikirica V, Greven P, Zhong Y, Qin P, Xie J – Neuropsychiatric Disease and Treatment. 2014;2014:1543-1569. https://doi.org/10.2147/NDT.S65721

Créditos foto: @HCPA_oficial

 

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top