skip to Main Content

FILHO ADOLESCENTE COM TDAH? ENCORAJE A COMUNICAÇÃO E EVITE O DRAMA

IMG 0687
Post Series: TDAH & Cérebro

Grande parte das crianças diagnosticadas com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade chega à adolescência com o transtorno. Nos Estados Unidos, o número estimado de adolescentes com TDAH é de 3% a 5%1.

Os sintomas na adolescência são muito similares aos da infância: distração, desorganização, falta de concentração e impulsividade. Contudo, somam-se a isso as mudanças hormonais, a vida social intensa e a falta de controle dos pais sobre os jovens. Os sintomas podem ser parecidos, mas a forma de lidar com eles muda bastante.

Richard Curwin tem muito a nos ensinar sobre esta mudança. Educador especialista em disciplina escolar, Curwin é pai de duas crianças com TDAH, além de ter sido ele mesmo diagnosticado com o transtorno.

Dos seus longos anos de experiência com gerenciamento de sala de aula, ele criou o método chamado “Disciplina com Dignidade”, que deu origem a um livro homônimo. Hoje, o educador nos traz algumas reflexões interessantes para lidar com adolescentes diagnosticados com Transtorno de Déficit de Atenção/ Hiperatividade. Confira abaixo o texto de Richard Curwin2.

Os pais frequentemente me perguntam como podem atravessar a adolescência de seus filhos com TDAH. O transtorno adiciona uma carga de estresse à tarefa de se comunicar com um filho ou com uma filha que já está passando por uma grande pressão dos colegas e dos hormônios.

A maioria dos problemas se origina da dificuldade dos adolescentes de controlarem o que dizem ou fazem. O estresse e o conflito exacerbam a impulsividade. Reduzir estas tensões e os insultos verbais minimizará situações negativas na vida do seu filho e abrirá caminho para uma comunicação mais tranquila e para momentos de disciplina.

Como pai de duas crianças com TDAH, e tendo sido eu mesmo diagnosticado com o transtorno, posso sugerir algumas alternativas para vocês.

Comunicando-se com um adolescente

Grande parte dos adolescentes precisa ter a palavra final na conversa. Você pede que seu filho faça algo e ele lhe explicará por que não pode fazer. Você soluciona as preocupações de seu filho e ele surgirá com novos problemas. Nunca acaba. Os amigos são menos compreensivos com alguém cuja atitude aparenta o “sabichão” e, com o passar do tempo, acabarão riscando seu filho da lista de amizades.

Explique para seu adolescente que não é culpa dele que ele se comporte desta forma. O TDAH exerce grande influência sobre o cérebro. Diga a ele que não importa que ele precise dar a última palavra ocasionalmente, mas, quando isso acontece com frequência, a percepção é de que ele está sempre correto.

Perceber como seu filho expressa esta última palavra é fundamental para minimizar a atitude. Ensaie cenários diferentes, em que ele deixará você dar a última palavra. Observe como esta dramatização impactará no cotidiano após três dias de ensaio.

Não o recompense ou o reprima com base nos resultados. Apenas ajude-o a melhorar. Esta atividade pode ser repetida tantas vezes quanto seu filho se sentir disposto.

Ajuda na organização

Adolescentes com TDAH – e adultos também – frequentemente perdem itens como carteiras, chaves, livros, óculos e papeis. Isso pode levar ao desespero ou à culpa, o que potencializa a atitude defensiva.

Quanto mais os pais culparem o adolescente por não se preocupar com suas coisas, menos eles ouvirão seus conselhos. Perder coisas se torna uma questão que interfere bastante na comunicação entre pais e adolescentes.

Para evitar esta cadeia de eventos, espere até que as coisas estejam mais calmas. Amigavelmente, ofereça sugestões de uma forma não julgadora. “Eu sei que você tem dificuldade de encontrar as coisas. Isso deve ser frustrante. Tenho algumas ideias que podem lhe ajudar se você quiser reverter essa situação”.

Sugira formas de organização e estabeleça locais para os itens que seu filho perde com mais frequência. Pregue ganchos nas paredes ou compre um porta-chaves e pendure-o ao lado da porta para que ele coloque as chaves ali sempre que entrar em casa. Compre uma pasta ou um arquivo vermelho para que ele guarde suas tarefas da escola. Encontre um lugar visível para guardar estes papeis. Ajude-o a colocar as contas na carteira em vez de deixá-las soltas em qualquer lugar.

Escolhas e tomadas de decisão para adolescentes com TDAH

Escolhas são oportunidades para seu filho aprender a solucionar problemas. Ameaças criam reações de “luta ou fuga”, que geram silêncio ou conflitos. Você já ouviu seu filho dizer “e daí? Eu não me importo!” quando você o ameaça?

Como saber a diferença entre uma ameaça e uma escolha? Uma ameaça inclui punição como uma das escolhas: “limpe o quarto ou não usará o carro. A escolha é sua”. Uma forma mais interessante de propor isso é “você precisa limpar seu quarto. Você pode fazê-lo antes ou depois do jantar”.

Outro exemplo de ameaça é “você pode escolher entre parar de incomodar sua irmã ou sair da mesa de jantar”. Se uma das opções for uma punição, seu filho interpretará isso como ameaça. Uma abordagem melhor é dizer “por favor, encontre uma forma de não incomodar sua irmã para que todos nós possamos saborear nosso jantar”. Ao substituir ameaças por escolhas positivas, você melhorará a comunicação com seu filho adolescente.

Fonte:

1 ADHD, BY THE NUMBERS. ADDITUDE. Disponível em: <https://www.additudemag.com/the-statistics-of-adhd/>. Acesso em: 03 de janeiro de 2019.

2 HAVE A TEEN WITH ADHD? ENCOURAGE COMMUNICATION & AVOID THE DRAMA. ADDITUDE. Disponível em: <https://www.additudemag.com/parenting-teen-adhd-discipline-communication/>. Acesso em: 03 de janeiro de 2019.

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top