skip to Main Content

EPILEPSIA E TDAH: COOCORRÊNCIA QUE DEVE SER INVESTIGADA PELOS PAIS

700 Epilepsia E TDAH Coocorrência Que Deve Ser Investigada Pelos Pais
Post Series: TDAH & Cérebro

Crianças com Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) têm risco aumentado de terem convulsões. A relação entre as duas desordens é bastante estudada. Vamos observar o que os dados nos mostram.

O TDAH é a desordem mais coocorrente entre crianças com epilepsia. Estudos1 sugerem que de 30 a 40% das crianças com epilepsia têm TDAH, ao passo que, no caso de crianças sem o transtorno, este número fica entre 7 e 9%2.

Pesquisadores também encontraram3 que aproximadamente 20% dos adultos com epilepsia podem ter TDAH, enquanto, na população geral, este número fica entre 2,5 e 4%.

Em 2016, um estudo4 chamou a atenção do mundo para esta relação. A pesquisa tinha investigado um milhão de pessoas por 22 anos. Os resultados, contudo, não foram tão diferentes do que já vinha sendo concluído.

O estudo observou crianças nascidas na Dinamarca entre 1990 e 2007, acompanhando os participantes até 2012. Os investigadores descobriram que crianças com epilepsia tinham até três vezes mais chance de desenvolverem TDAH em comparação com crianças sem epilepsia. Crianças com convulsões febris pareciam ter uma média de 30% no aumento do risco para o TDAH.

Por ser um estudo observacional, os pesquisadores encontraram associação entre as desordens, mas não comprovam causa e efeito. Mesmo assim, as relações se mantiveram mesmo quando os pesquisadores levaram em conta outros fatores capazes de afetar o risco, como peso no nascimento e histórico familiar de doenças neurológicas.

Comentários de especialistas

“A relação entre as condições não é surpreendente”, explica5 a neurologista pediátrica Josiane LaJoie, que trabalha no NYU Langone Comprehensive Medical Center, em Nova York. “Ambas as desordens têm origem no sistema nervoso central.

Sayed Naqvi, neurologista pediátrico e epileptologista no Nicklaus Children’s Hospital in Miami, concorda com LaJoie. “De forma geral, este estudo fortalece as descobertas que pesquisas prévias vinham encontrando.”

Naqvi diz que já viu esta ligação em seus próprios pacientes, mas desconhecia a relação entre convulsões febris e TDAH.

O Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade é uma condição neurodesenvolvimental comum, marcada pela falta de atenção, incapacidade de foco e impulsividade. Convulsões febris envolvem febres a partir de 38,88°C ou mais. Epilepsia é uma desordem cerebral que gera crises convulsivas.

De toda forma, não é sabido como as condições estão relacionadas. Pesquisadores especulam que os fatores de risco genéticos podem explicar esta conexão, mas há outras possibilidades. As três desordens compartilham outros fatores de risco, como peso no nascimento e histórico familiar.

Este estudo dinamarquês tem suas limitações, afirma Naqvi, e os pesquisadores as explicam em seu relatório. Por exemplo, não há informação sobre os medicamentos dados no tratamento da epilepsia, então, os remédios podem ter afetado o risco de desenvolver TDAH, notam os responsáveis pelo estudo.

A mensagem da pesquisa, dizem os investigadores, é que médicos devem testar seus pacientes para o TDAH assim que possível, para que o tratamento possa ser iniciado antes de os sintomas se agravarem.

Pais de crianças com epilepsia ou convulsões febris devem ficar atentos para possíveis sintomas de TDAH, diz Naqvi. Um dos primeiros sinais, se a criança já está em fase escolar, é a baixa performance.

LaJoie adiciona que “é vital que, ao cuidar de uma criança com epilepsia, os médicos observem a vida acadêmica e o funcionamento psicossocial”.

Fonte:

1 DUNN DW, et al. Childhood epilepsy, attention problems, and ADHD: review and practical considerations. Semin Pediatr Neurol. 2005 Dec;12(4):222-8. DOI: 10.1016/j.spen.2005.12.004. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16780293>. Acesso em: 06 de dezembro de 2018.

2 WILLIAMS A, et al. Epilepsy and attention-deficit hyperactivity disorder: links, risks, and challenges. Neuropsychiatr Dis Treat. 2016; 12: 287–296. Doi: 10.2147/NDT.S81549. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4755462>. Acesso em: 06 de dezembro de 2018.

3 ETTINGER AB, et al. Attention-deficit/hyperactivity disorder symptoms in adults with self-reported epilepsy: Results from a national epidemiologic survey of epilepsy. Epilepsia. 2015 Feb;56(2):218-24. doi: 10.1111/epi.12897. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25594106>. Acesso em: 06 de dezembro de 2018.

4 BERTELSEN E, et al. Childhood Epilepsy, Febrile Seizures, and Subsequent Risk of ADHD. Epilepsia. 2016. Pediatrics. Print, 0031-4005; Online, 1098-4275. Doi: 10.1542/peds.2015-4654. Disponível em: <http://pediatrics.aappublications.org/content/pediatrics/138/2/e20154654.full.pdf>. Acesso em: 06 de dezembro de 2018.

5 EPILEPSY MAY TRIPLE ADHD RISK, STUDY FINDS. WEBMD. Disponível em: <https://www.webmd.com/epilepsy/news/20160713/epilepsy-may-triple-adhd-risk-danish-study-finds#1>. Acesso em: 06 de dezembro de 2018.

 

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top