skip to Main Content

QUANDO O TDAH FAZ PARTE DA FAMÍLIA

IMG 0088
Post Series: TDAH & Cérebro

Quando meu filho foi diagnosticado pela primeira vez com TDAH, aos nove anos, assistimos a nove meses de oficinas semanais para pais e filhos na Universidade da Califórnia, em São Francisco. As crianças foram para uma sala, onde aprenderam a organizar suas mochilas e os pais foram para outra, onde aprendemos a gerenciar os gráficos de recompensas.

Foi aqui, aos 48 anos, que perecebi meu primeiro indício de que eu compartilhava o distúrbio do meu filho. Enquanto todos os outros pais traziam gráficos gerados por computador, bem marcados e coloridos, e se gabavam de todos os êxitos que estavam tendo, meus gráficos escritos a mão estavam amassados ​​e o comportamento de meu filho permaneceu inalterado, ou pior.

Tal filha, tal mãe

Criar uma criança com TDAH não é para os fracos – e torna-se mais intimidante quando você também está lutando para permanecer nos trilhos todos os dias. Ainda assim, milhões de mães com TDAH agora enfrentam esse desafio, dadas as taxas de herdabilidade extremamente altas para esse transtorno perturbador. A pesquisa mostrou que o TDAH é mais hereditário do que a maioria das outras condições mentais, apenas um pouco menos do que a altura.

A tarefa de cuidar de uma criança com TDAH é difícil para as mães que têm a mesma condição, diz Andrea Chronis-Tuscano, Ph.D., professora associada de psicologia na Universidade de Maryland. A pesquisa de Chronis-Tuscano enfoca esse duplo golpe – de mulheres com TDAH criando filhos com TDAH – tornando-a plenamente consciente do que foi subestimado. “Descobrimos que as mães que têm sintomas elevados de TDAH têm dificuldades em ser positivas e em manter suas emoções sob controle, embora sejam inconsistentes em termos de disciplina – muitas vezes dizem algo e depois fazem outra coisa. Mães distraídas também têm dificuldade em supervisionar de perto seus filhos, o que pode ser arriscado, já que as crianças com TDAH são tão propensas a acidentes. ”

De muitas maneiras, pais e filhos que compartilham um diagnóstico de TDAH podem ser uma perfeita incompatibilidade. O trabalho dos pais baseia-se fortemente nas chamadas funções executivas do cérebro: exercitar o bom senso, pensar no futuro, ser paciente e manter a calma. Quando as mães que lutam com esses desafios têm filhos no mesmo barco, você provavelmente terá mais prazos perdidos, percalços gerais, explosões emocionais e, com a mesma frequência, momentos que, pelo menos em retrospecto, são incrivelmente engraçados.

Chronis-Tuscano diz que ela tinha mães em seu estudo para entrevistas, que verificavam seus relógios e saiam correndo para pegar as crianças que estavam esperando por elas, em outro lugar.

Tipos de TDAH mãe-filha

Frequentemente, mães e filhas compartilham a mesma apresentação de TDAH. Se você tiver uma apresentação desatenta e retraída, sua filha provavelmente também o fará. Se você tem uma apresentação hiperativa e impulsiva, provavelmente verá essas características em sua filha, diz a psicóloga clínica Ellen Littman.

Jeremy Didier, fundadora e diretora da ADHDKC, afiliada do Kansas City CHADD, que tem uma filha com diagnóstico de TDAH, além dela mesa, diz que as experiências compartilhadas de TDAH podem facilitar o reconhecimento e seu apoio para sua filha. Ambas foram co-apresentadoras na Conferência Internacional Anual de 2018 sobre TDAH, juntamente com outros dois pares mãe-filha. Pelo menos uma dessas mães, Kathleen Duryea, DO, admitiu que inicialmente não reconhecia o TDAH em uma de suas duas filhas, porque era diferente de sua própria apresentação. Se você acha que sua filha tem TDAH, diz Duryea, continue conversando com profissionais que ajudarão a descobrir se esse é o caso.

“Eu posso ver quando ela está se preparando para fazer uma má escolha, talvez fazer algo um pouco impulsivo, porque meu cérebro provavelmente foi lá também”, diz Didier. “Ao mesmo tempo, eu entendo quando ela chega em casa no final do dia e está exausta e precisa de um cochilo, e seu quarto está uma bagunça, ou seu carro está uma bagunça, porque ela tem tudo lá para que ela possa ver.”

A Dra. Littman diz que isso faz parte do conjunto único de problemas que as mulheres com TDAH enfrentam com dúvidas, vergonha e auto-estima.

Mães com TDAH estão sempre questionando sua própria adequação. Como resultado, elas se sentem culpadas o tempo todo que não estão fazendo um bom trabalho com o filho.

Mais desafiador do que uma carreira

Liz Fuller, uma dona de casa do Arizona, certamente sabe como é. Fuller tem dois filhos, um dos quais foi diagnosticado com TDAH e autismo de alto funcionamento. A própria Fuller nunca foi diagnosticada com TDAH, mas ela diz que suspeita que o seria, se pudesse encontrar tempo para consultar um médico.

Ocasionalmente, ela diz, ela acaba sendo a única mãe tentando levar seu filho para a escola em um dia em que a escola não está em funcionamento. Ela também esquece periodicamente que enviou seu filho para um intervalo disciplinar e, ainda mais frequentemente, esquece por que ele foi enviado para lá.

Como muitas mães altamente distraídas, Fuller, que costumava trabalhar em recursos humanos corporativos, descobriu que a maternidade em tempo integral é muito mais desafiadora do que a faculdade ou o mundo do trabalho. A maternidade, ela observa, em contraste com outras atividades, não fornece “nenhuma fórmula ou estrutura”, levando a situações em que “você está olhando para um milhão de distrações e coisas para fazer, e nenhuma pode ser arquivada em uma pasta de papel pardo para mais tarde. ”

Quando Fuller tentou manter gráficos de recompensa para seu filho de sete anos, para motivá-lo a desligar seu videogame à noite, quando ele cumpriu a tarefa, ela estava sempre muito ocupada arrumando as outras duas crianças para ir para cama, para recompensá-lo. Em outros momentos, ela admite que esqueceu que estava mantendo os gráficos junto com ele.

Embora esses momentos possam ser cômicos, os resultados do diagnóstico duplo são menores. Os pesquisadores observam uma taxa mais alta de problemas de divórcio e abuso de substâncias em pais de crianças com TDAH, enquanto mães de crianças com TDAH relatam níveis mais altos de tristeza e sentimentos de isolamento social do que mães que criam filhos sem a condição.

Pedindo ajuda

A gestão da casa e familiar pode ser complexa e, para as mulheres com TDAH, pode tornar-se uma sobrecarga, muito rapidamente. Antes que isso aconteça, informe a outros membros da sua família que não é apenas o seu trabalho fazer todo o trabalho da casa ou manter a agenda da família. E lembre-se de que até os adolescentes respondem aos sistemas de recompensa, como descobriu Didier. É importante cuidar de você mesmo.

“As mães tendem a preencher a tela do seu radar com as coisas mais importantes no momento, e estas parecem urgentes. Porém, geralmente, são coisas como fazer cupcakes”, diz Littman. “Então as próprias necessidades da mãe caem no esquecimento, e isso também é um problema. As mães nem sempre cuidam bem de si mesmas, o que não é ótimo em termos de modelo. É um equilíbrio muito difícil de conseguir.

O lado brilhante de um duplo diagnóstico

Lamprini Psychogiou, Ph.D., professor e pesquisador da Universidade de Exeter, na Grã-Bretanha, oferece uma visão esperançosa dos possíveis resultados de um diagnóstico compartilhado, em um estudo publicado em Desenvolvimento e Psicopatologia. Em uma análise de quase 300 mães, Psychogiou descobriu que, enquanto os sintomas de TDAH em crianças estavam ligados a mais emoções negativas expressas por suas mães, as mães que compartilhavam os sintomas de seus filhos eram muito mais afetivas e compassivas.

Liz Fuller exemplifica essa atitude. Sua história favorita é centrada em um dia antes de seu filho ser diagnosticado. Ela estava angustiada com o fato de que ele era o único bebê em seu grupo de música que não conseguia ficar parado no círculo. Então, ela se lembrou de seu próprio caminho conturbado durante a infância, pensando quantas vezes ela ficara de castigo no colegial, por comportamento perturbador, como conversar com outras crianças e não poder ficar parada. E diz: “Eu senti essa incrível compreensão para com o meu filho pela primeira vez. Ele ainda não conseguia falar muitas palavras, mas estava me dizendo muito sobre seu comportamento. Ele não queria (ou precisa) sentar em círculo e cantar. Ele não estava tentando ser ruim ou me frustrar. Ele estava entediado! Que droga, eu estava entediada também! Quem quer sentar em círculo e ver outras crianças cantando músicas quando há corridas a serem feitas? E quem quer forçar uma criança a sentar em círculo?”

A revelação levou Fuller a desistir da aula de música, em favor de ter um encontro regular com seu filho no parque, onde, como ela diz, “nós vagamos livremente e exploramos a beleza ao ar livre, onde ambos somos mais felizes”.

Texto adaptado, traduzido do artigo de Katherine Ellison.

10 de Maio, 2018.

https://www.additudemag.com/mothers-with-adhd-raising-kids-with-adhd/

Texto adaptado, traduzido do artigo da ADHD Weekly.

20 de Dezembro, 2018.

https://chadd.org/adhd-weekly/in-this-together-mothers-and-daughters-who-have-adhd/

 

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top