skip to Main Content

IMAGENS MOSTRAM DIFERENÇAS EM CÉREBROS DE PRÉ-ESCOLARES COM TDAH

Brain 1618377  480
Post Series: TDAH & Cérebro

Um novo estudo que encontrou diferenças significativas nos cérebros de pré-escolares com sintomas de transtorno de déficit de atenção e hiperatividade pode ajudar os pais a entender que extremos de comportamento podem refletir diferenças na “fiação” biológica.

Aqueles que se sentem culpados – ou se culpam – pelos problemas comportamentais de seus filhos pequenos provavelmente acompanharão com interesse a medida que esse estudo de longo prazo avança.

“Queríamos entender algumas das diferenças biológicas e comportamentais que podemos começar a observar no início da vida”, disse Mark Mahone, autor sênior de um estudo do desenvolvimento do cérebro em crianças pré-escolares com TDAH, publicado segunda-feira no Journal of the International Neuropsychological Society. “Dados de nossos trabalhos anteriores nos levaram a pensar que podem haver algumas mudanças importantes no cérebro, que aconteceram precocemente e que pode preparar o terreno para as dificuldades que as crianças enfrentam quando chegam à escola”.

Dr. Mahone, diretor do departamento de neuropsicologia do Instituto Kennedy Krieger, em Baltimore e seus colegas realizaram exames cerebrais avançados em 90 crianças de 4 e 5 anos de idade. Destes, 52 apresentavam sintomas de TDAH, e os outros 38 eram controles cuidadosamente pareados, semelhantes em idade, sexo, condição socioeconômica, QI e capacidade de linguagem. Os cérebros das crianças com sintomas de TDAH foram significativamente diferentes dos cérebros das crianças do grupo controle, com “mudanças realmente generalizadas”, disse Mahone.

Essas mudanças incluíram , sobretudo, um cérebro menor e reduções no tamanho de várias regiões específicas, incluindo os lobos frontais. “A magnitude dessas reduções prévias se relacionava com a gravidade dos sintomas de TDAH ”, disse o Dr. Mahone. “Algo que aconteceu no começo da vida dessa crianças, determina diferenças em seus cérebros até os 4 anos de idade”.

É mais comum um diagnóstico de TDAH ser feito quando as crianças têm problemas na escola, e não nos anos pré-escolares. Isso ocorre em parte porque há poucas demandas para a maioria das crianças de 3 anos ficarem paradas e concentradas, e é considerado normal em termos de desenvolvimento ser um pouco indisciplinado nessa idade. Mas, muitas vezes, os pais e professores de pré-escola estão cientes da dificuldade de uma criança em prestar atenção antes da idade escolar. De fato, para atender aos critérios oficiais para o diagnóstico, a criança precisa ter problemas em mais de um ambiente. Este é o primeiro estudo abrangente que analisou o cérebro de crianças a partir dos 4 anos com sintomas de TDAH através de ressonância magnética, disse o Dr. Mahone.

James Griffin, vice-chefe do departamento de desenvolvimento infantil e comportamento do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, que apoiou a pesquisa, disse que os resultados foram uma surpresa para os pesquisadores, que não esperavam mudanças tão pronunciadas em crianças tão jovens.

“O que ele descobriu foi que essas diferenças já existiam aos 4 anos”, disse o Dr. Griffin. “Isso foi uma verdadeira surpresa para ele, que não esperava que elas fossem tão significativas e exatamente nas áreas que você poderia prever a partir de relatórios dos pais sobre problemas de hiperatividade e atenção.”

Estudos anteriores de neuroimagem de crianças mais velhas, de 6 a 16 anos, mostraram que os cérebros das crianças com TDAH parecem diferentes, disse Dr. Mahone, e estudos de atividade cerebral, em que as pessoas com TDAH são convidados a realizar tarefas específicas, mostraram que a ativação cerebral e o fluxo sanguíneo são diferentes.

Tudo isso contribuiu para o entendimento da base biológica do TDAH e da complexidade do mesmo. “Existem diferenças estruturais nos volumes cerebrais, nas conexões entre as regiões do cérebro refletidas nas mudanças da substância branca encontradas em pessoas com TDAH e há alterações químicas em alguns dos principais sistemas transmissores no cérebro”, disse Mahone. “Quando o cérebro é solicitado a fazer algo, o cérebro das crianças com TDAH faz a mesma tarefa, mas ele é menos eficiente ”.

Nenhuma das crianças do estudo já tomou qualquer tipo de medicação para o TDAH, o que é importante, disse Mahone, porque dúvidas foram levantadas no passado sobre se ter tomado medicamentos estimulantes pode contribuído para algumas das diferenças cerebrais observadas em crianças mais velhas com TDAH.

Mas o que mais importa não é tanto o que o cérebro parece em um momento específico, disse Mahone, mas como o cérebro cresce e muda; é a trajetória que precisa ser entendida e que ajudará a projetar futuras funções e direcionar ajuda e intervenções. Ao começar cedo e seguir essas crianças, haverá muito a aprender sobre o desenvolvimento típico e atípico.

“Estamos apostando que alguns deles vão crescer”, disse ele, e não terão mais o diagnóstico. Os controles correspondentes também serão seguidos. “E alguns que não apresentam sintomas aos 4 anos, podem apresentar mais tarde.”

Este é um estudo descritivo, disse o Dr. Griffin, que analisa padrões no desenvolvimento do cérebro, mas não pode estabelecer causa e efeito. Mas, com estudos longitudinais, observar os cérebros dessas crianças à medida que elas mudam com o tempo será muito importante. Eventualmente, ele disse, podemos ser capazes de olhar para questões como: “se tivéssemos começado uma intervenção comportamental aos 2 anos, ainda veríamos essas mudanças?”

“O TDAH é muito mais um distúrbio biológico”, disse o Dr. Mahone, e é claramente possível distinguir o transtorno do comportamento normal de 4 anos de idade. “Evidências muito claras de que as coisas acontecem de maneira diferente no cérebro nos ajudam a reforçar que esta é uma condição muito real que começa muito cedo.” Tentando identificá-la mais cedo e iniciar intervenções comportamentais o mais cedo possível, ele disse, podemos melhorar o prognóstico.

“Essas crianças e suas famílias estão fornecendo dados valiosos que nos permitem aprender mais sobre crianças com sintomas de TDAH e desenvolvimento atípico, bem como desenvolvimento típico ”, disse o Dr. Griffin. “Ter filhos com sintomas de TDAH e que tem que ficar imóveis em um scanner; esta não é uma tarefa e um compromisso insignificantes da parte deles. ”

Então, como você consegue que crianças de 4 e 5 anos de idade, especialmente aquelas que parecem hiperativas, fiquem paradas por 40 minutos para uma varredura cerebral sofisticada? A equipe do Dr. Mahone traz as crianças para sessões de prática em um scanner simulado, que parece e soa exatamente como uma máquina de ressonância. Se a criança tiver problemas para ficar imóvel, ela poderá praticar com um detector de movimento usado na testa, enquanto assiste a seu filme favorito, que dispara se a criança se mover (para as digitalizações reais, eles podiam assistir ao filme sem o detector de movimento).

Além disso, Dr. Mahone disse que os pesquisadores aproveitaram os padrões de sesta das crianças. “Nós os trazíamos, trabalhávamos com eles de manhã, mandávamos eles para almoçar e falávamos aos pais para dar um almoço farto, para eles e não os deixarem cochilar, depois os examinávamos após o almoço”, disse ele. “Com certeza, eles estavam caindo de sono e conseguíamos ótimos scans.”

Os autores do artigo reconheceram que a necessidade de ficar parado para os exames pode significar que o estudo incluiu apenas crianças com sintomas mais moderados.

Como estudar a trajetória é tão importante, o Dr. Mahone disse que é muito grato às famílias que participaram e que continuarão a participar à medida que seus filhos crescerem até o ensino fundamental e além. “As crianças se divertem fazendo isso”, disse Mahone. “Eles tiram uma foto do cérebro deles para levar para casa. É um grande evento para eles. ”

Traduzido da matéria no New York Times escrita por Perri Klass em 28/03.

< https://www.nytimes.com/2018/03/26/well/family/scans-show-differences-in-brains-of-preschoolers-with-adhd.html>

Compartilhe com seus amigos!
Back To Top